Saúde

"Precariedade total" diz funcionário que denuncia a falta de materiais, roupas, higienização adequada no Hospital Dona Regina

24/10/2017 17h04 | Atualizado em: 24/10/2017 18h15

divulgação
Em entrevista ao CT, um funcionário do Hospital e Maternidade Dona Regina conta que estão enfrentando vários problemas para o entendimento aos pacientes que procuram a unidade. De acordo com ele, falta vaga em Unidade de Terapia Intensiva (UTI), material para cirurgias, lençóis, e roupa adequada para pacientes e acompanhantes.


Devido a falta de leitos na UTI também está fazendo com que os recém-nascidos fiquem em uma sala dentro do próprio centro cirúrgico, segundo o servidor entrevistado pelo CT, que preferiu não se identificar.


“Falta higienização adequada dos lençóis, as cirurgias estão sendo canceladas, falta material constantemente. Precariedade total”, afirmou. “Tem pacientes com bebês prematuros graves para nascer e não tem como fazer as cirurgias porque falta campo e capote cirúrgico”, contou.


Além disso, uma servidora do Dona Regina também contou ao CT que eles estão precisando improvisar com tocas para proteger os calçados para que os acompanhantes entrem no centro cirúrgico, por falta do propé.


“A situação é crítica. Não há lençóis e camisolas suficientes para todos os pacientes, tem pacientes que está no mesmo lençol há três dias. Os acompanhantes também não têm roupa adequada para ficar dentro do centro cirúrgico”, afirmou.


Devido todo o estresse causado por essas situações, a equipe do hospital está adoecendo, segundo técnicos e enfermeiros.


Resposta do Sesau

“A Secretaria de Estado da Saúde (Ses-TO) esclarece que não tem medido esforços para oferecer um serviço de saúde cada dia mais humanizado e digno à população usuária do Sistema Único de Saúde (SUS) em todas as unidades hospitalares geridas pelo Executivo estadual, mas a crise econômica também afeta a saúde em todo o país.

Quanto à rouparia do Hospital Dona Regina (HDR), foi realizada a licitação do serviço de rouparia e o mesmo encontra-se em fase de contratação.
A fim de normalizar o serviço no HDR, constantemente está adquirindo novos lençóis e não há falta de materiais cirúrgicos padronizados.

Sobre a demanda de vagas de UTI, ha apenas um bebê aguardando vaga porém o mesmo está sendo assistido e aguarda posição técnica da equipe do HDR que em contato com a regulação médica procederão reavaliação segura e estabelecerão o melhor para o recém nascido que poderá ser a necessidade de transferência imediata, se com indicação, dos mesmos, para o Hospital Dom Orione em Araguaína onde ha uma vaga."