Saúde

Tratamentos complementares oferecidos no HGP ajudam a melhorar saúde de pacientes

17/09/2017 16h11 | Atualizado em: 17/09/2017 16h14

Josy Karla/Governo do Tocantins
Acupuntura é oferecida a pacientes do HGP
Acupuntura é oferecida a pacientes do HGP
Na busca da melhoria da qualidade de vida dos pacientes, o Hospital Geral de Palmas (HGP) desenvolve um projeto sobre práticas integrativas e complementares no Ambulatório de Especialidades do hospital. A iniciativa realiza cerca de 80 atendimentos por mês e oferta acupuntura, auriculopuntura, fitoterapia, plantas medicinais e naturologia.

As práticas integrativas e complementares, por serem naturais e não invasivas, contribuem para uma rápida melhora no quadro clínico dos pacientes, proporcionando bem-estar e conforto, permitindo que a pessoa fragilizada possa encontrar, neste cuidado complementar, maior tranquilidade, segurança e ânimo para o enfrentamento da doença.

Os pacientes são atendidos em sessões onde são realizadas as práticas conforme a necessidade de cada usuário. No caso do pedreiro Francisco Gomes Teixeira, que sofreu um acidente de trabalho há 8 anos e teve fraturas na vértebras, ele utiliza a acupuntura. “Eu andava de bengala e agora não preciso mais usar, ando normal. Eu ainda sinto dores, mas não é como era antes das sessões, não tem comparação. Hoje eu faço exercícios com alongamentos e acupuntura. Antes de conhecer o trabalho não dava importância e quando nós começamos a ver os benefícios, vemos o quanto é incrível o resultado”.

Para a fisioterapeuta responsável pelo projeto, Oliane Prado, é necessário atender o paciente na sua integralidade, não somente a parte física, mas emocional e espiritual também. “Nesta fase de adoecimento é de suma importância uma escuta acolhedora, o desenvolvimento do vínculo terapêutico e a integração do ser humano com o meio ambiente e a sociedade, trazendo assim melhor qualidade de vida. A regulamentação para práticas integrativas traz várias abordagens, porém aqui no hospital estamos iniciando a proposta no intuito de reunir mais profissionais da unidade, e atuar como equipe multiprofissional. É muito gratificante acompanhar os excelentes resultados e estamos felizes em somar esforços. Afinal, como disse o pensador Carl Jung, conheça todas as teorias, domine todas as técnicas, mas ao tocar uma alma humana, seja apenas outra alma humana”, concluiu.

A profissional explica ainda que a atuação das terapias integrativas é complementar e não interfere no tratamento médico, mas serve como apoio para o organismo, que ora fortalecido responde mais prontamente à terapêutica alopática utilizada.

O projeto atualmente atende pacientes em tratamento de retorno no ambulatório dos programas de oncologia, reumatologia, pneumologia, crânio facial e cirurgia bariátrica
.
Sobre as práticas

A acupuntura é uma técnica milenar chinesa que consegue combater a dor e os desequilíbrios orgânicos de maneira natural e com menos efeitos colaterais.

A auriculopuntura é uma especialidade da acupuntura e visa fazer o corpo funcionar melhor e de forma saudável por meio da estimulação de pontos energéticos localizados na orelha.

Já a fitoterapia trata da utilização das plantas para tratamento de doenças e recuperação da saúde. Enquanto que a naturologia estuda de técnicas e métodos de tratamento naturais para prevenir doenças, recuperar e promover a saúde.

O projeto segue a Portaria do Ministério da Saúde nº. 971, de 3 de maio de 2006 e a Portaria nº 145/2017, que dispõe sobre a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no Sistema Único de Saúde (PNPIC), além da Portaria do MS nº. 853 de 2006, que identifica integralmente os procedimentos da PNPIC.