Exigências de Bolsonaro sobre comando do PL nos estados esquenta clima com o presidente da sigla e filiação é adiada

  • 15/Nov/2021 17h10
    Atualizado em: 15/Nov/2021 às 17h15).

A suspensão do evento de filiação do presidente Jair Bolsonaro ao Partido Liberal (PL), anunciada pela sigla na manhã desse domingo,14, parece ter sido motivada por um sério conflito entre o chefe do Executivo e Valdemar da Costa Neto, presidente do PL. A filiação de Bolsonaro estava marcada para o próximo dia 22.

Segundo o site O Antagonista, a conversa terminou com insultos entre os dois, até o tradicional — e baixo — “VTNC você e seus filhos”, uma abreviação de quando alguém manda outra pessoa para “aquele lugar”, escrito por Costa Neto. No entanto, Bolsonaro teria disparado o xingamento antes ao presidente do PL.

A motivação da briga foi um impasse entre Valdemar e Bolsonaro sobre o controle do diretório do PL em São Paulo. O chefe do Executivo queria que o filho Eduardo Bolsonaro, deputado federal (PSL-RJ), fosse o cabeça da sigla no estado, o que foi negado por Costa Neto.

Bolsonaro, então, reagiu com fúria, mas não intimidou Valdemar, que rebateu: “você pode ser presidente da República, mas quem manda no PL sou eu”. Foi nesse momento que o presidente da República mandou o cacique do Centrão para aquele lugar e recebeu o xingamento de volta, com a extensão para os filhos.

Quem acompanhou a conversa afirma que a filiação agora é vista como uma possibilidade distante. Momentos após o anúncio, Bolsonaro comentou, em Dubai, sobre a filiação e citou o problema do diretório em São Paulo, em uma fala que mostra que tem interesses diferentes de Costa Neto.

"A gente não vai aceitar por exemplo em São Paulo apoiar alguém do PSDB", disse Bolsonaro. "Não tenho candidato em São Paulo ainda. Talvez o Tarcísio aceite esse desafio", afirmou.

No maior colégio eleitoral do País, o PL quer apoiar a candidatura do vice-governador Rodrigo Garcia (PSDB) ao Palácio dos Bandeirantes. Já Bolsonaro quer ter um palanque diferente no Estado e não aceita apoiar um apadrinhado do governador João Doria (PSDB-SP), seu adversário. O presidente deseja que o ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, dispute a sucessão de Doria.

Na tentativa de um acordo, a cúpula do PL sugeriu Tarcísio como candidato ao Senado por Goiás. O que não agrada aos bolsonaristas, que vetam qualquer aliança com o grupo de Doria.

De olho em outros partidos

O presidente Jair Bolsonaro afirmou, nesta segunda, 15, que tem limite de espera para se filiar ao PL e que, apesar de acreditar em um “casamento feliz”, mantém conversas com outros partidos. Neste sentido ele citou o PP, de Ciro Nogueira, atual ministro da Casa Civil.

“Eu espero que, em pouquíssimas semanas, duas, três, no máximo, casar ou desfazer o noivado”, disse o presidente durante a Expo 2020, evento que participa em Dubai. “Mas eu acho que tem tudo para a dar certo. Depende do Valdemar [Costa Neto] com sua habilidade, que todo mundo conhece, conduzir esses acordos que ele fez no passado, ele nunca desonrou a palavra dele e que nós temos no alto valor, para a gente partir para um casamento que sabemos que dará certo”, acrescentou. (Com informações do Congresso em Foco e Correio Braziliense)