Tocantins 33 anos: muito a se comemorar e a conquistar

  • 05/Out/2021 13h47
    Atualizado em: 05/Out/2021 às 17h49).

5 de outubro de 1988. Com a promulgação da Constituição Cidadã, nascia o Estado do Tocantins, fruto de uma luta secular que começou ainda no século XIX, encabeçada pelo Ouvidor Joaquim Theotônio Segurado, que em março de 1809 conseguiu autorização da Corte de Portugal para fazer a divisão administrativa do norte de Goiás, criando assim a Comarca de São João das Duas Barras, hoje Paranã. Este foi o primeiro passo em prol da libertação da região do Tocantins.

De lá até a instalação da Assembleia Nacional Constituinte, a luta pela emancipação do Norte de Goiás teve vários capítulos escritos e ganhou muitos e importantes personagens, a exemplo de Feliciano Braga, Lysias Rodrigues, Siqueira Campos, dentre outros.

Mas a luta pela criação do Tocantins ganhou força pra valer com o engajamento de líderes da região em entidades civis como a Casa do Estudante do Norte Goiano (CENOG) e a Comissão de Estudos dos Problemas do Norte Goiano (Conorte), embora muitos deles não tenham tido o devido reconhecimento por parte dos governantes, que desde o primeiro governo preferiu importar mão de obra para ocupar os postos chaves na estrutura administrativa do estado.

Hoje, apesar dos momentos conturbados que marcaram sua tão recente história política, com escândalos de corrupção, cassações, etc, após 33 anos, temos muito a comemorar. Os benefícios advindos com a separação de Goiás são inegáveis, especialmente no que tange à educação. Além de escolas com estrutura física moderna e adequada, e de mão de obra qualificada, nossos jovens não precisam mais se deslocar para os grandes centros em busca do conhecimento.  O modelo descentralizado das Universidades Federal e Estadual que alcança todas as regiões do estado é um sucesso, além de contarmos com excelentes faculdades privadas nas principais cidades.

Mas também é inegável que ainda há muito a se fazer. O progresso ainda se concentra em poucas cidades e a riqueza, a exemplo dos demais estados, concentra-se em poucas mãos. A exemplo das universidades, é preciso que o estado adote uma política de descentralização da economia para melhor distribuir a riqueza. Portanto, os ideias que impulsionaram o povo para luta emancipacionista não podem ser esquecidos nem tampouco abandonados. Zelar pelo território tocantinense e sua gente é responsabilidade de todos nós.

O Jornal se orgulha de fazer parte desta história, estando presente desde a implantação do estado, em janeiro de 1989, registrando os principais acontecimentos, a história, a cultura, além de dar voz ao povo tocantino em suas legítimas reivindicações.

O sentimento de pertencimento a essa terra é algo inexplicável. Tocantinenses, nativos ou adotivos,  sigamos perseguindo o lema que figura em nossa Bandeira: "CO YVY ORE RETAMA" - Esta Terra é Nossa.

Parabéns ao Tocantins e à sua brava gente!