Marcélia Belém, pioneira do teatro tocantinense morre nesta quinta-feira, vítima de AVC

  • 03/Set/2021 09h33
    Atualizado em: 03/Set/2021 às 12h53).

O teatro tocantinense perde uma das suas referências. Morreu na tarde desta quinta-feira, 2, a atriz, diretora, educadora, empreendedora e articuladora cultural, Marcélia Belém, vítima de complicações decorrentes de um Acidente Vascular Cerebral (AVC).

Marcélia foi uma das criadoras da Cia. de Teatro Chama Viva, ao lado do irmão, o ator e professor da Fundação Cultural de Palmas, Cícero Belém. Ambos pioneiros na articulação e ativismo cultural do Tocantins.

Licenciada em teatro pela Universidade de Brasília e especialista em Metodologia do Ensino na Educação Superior, Marcélia Belém é natural de Porto Nacional, atuou em mais de 20 peças teatrais de autores nacionais e estrangeiros, ambos os trabalhos dirigidos por diretores do Rio de Janeiro, Brasília, Mato Grosso e Tocantins, além do filme “Deus é Brasileiro”, de Cacá Diegues, com Antônio Fagundes e Paloma Duarte. Realizou também apresentações dos espetáculos Bonequinha de Pano de Ziraldo, entre outros.

“Uma entusiasta da cultura tocantinense, um talento nato que nasceu para brilhar nos palcos, nas telas ou em qualquer lugar que sua ousadia e criatividade quisessem ou se atrevessem a atuar”, assim a define a deputada Dulce Miranda.

Notas de pesar

“A Fundação Cultural de Palmas (FCP) lamenta profundamente o falecimento da atriz, diretora, educadora, empreendedora e articuladora cultural, Marcélia Belém, ocorrido na tarde desta quinta-feira, 02, vítima de complicações decorrentes de um Acidente Vascular Cerebral (AVC).

Marcélia foi uma das criadoras da Cia. de Teatro Chama Viva, ao lado do irmão, o ator e professor da Fundação Cultural de Palmas, Cícero Belém. Ambos pioneiros na articulação e ativismo cultural no Tocantins.

Licenciada em teatro pela Universidade de Brasília e especialista em Metodologia do Ensino na Educação Superior, Marcélia Belém é natural de Porto Nacional, atuou em mais de 20 peças teatrais de autores nacionais e estrangeiros, ambos os trabalhos dirigidos por diretores do Rio de Janeiro, Brasília, Mato Grosso e Tocantins, além do filme ‘Deus é Brasileiro’ de Cáca Diegues, com Antônio Fagundes e Paloma Duarte. Realizou também apresentações dos espetáculos Bonequinha de Pano de Ziraldo, entre outros.

À família e amigos, o nosso afeto e desejo de que encontrem consolo nas boas lembranças dos momentos juntos a Marcélia!
________________________________

“A FEDERAÇÃO TOCANTINENSE DE ARTES CÊNICAS lamenta o falecimento da atriz, diretora, produtora e educadora Marcélia Belém, nesta quinta-feira, vítima de complicações decorrentes de um Acidente Vascular Cerebral (AVC). Marcélia sempre será de extrema importância para a história do teatro tocantinense, deixou um legado de amor pelas artes e pela educação, e brilhará para sempre na memória de nós que um dia tivemos a honra de vê-la nos palcos. Obrigado Marcela Belém”.
________________________________

“Com muita tristeza e dor no meu coração, lamento profundamente a passagem da atriz, Marcélia Belém, na tarde desta quinta-feira,2. Tive a honra e oportunidade de assistir a vários espetáculos e acompanhar projetos desenvolvidos pela Marcélia, uma entusiasta da cultura tocantinense, um talento nato que nasceu para brilhar nos palcos, nas telas ou em qualquer lugar que sua ousadia e criatividade quisessem ou se atrevessem a atuar.

A perda de Marcélia Belém já é uma lacuna para a classe artística do Estado, bem como para a cultura tocantinense, onde ela deixa um legado inestimável de atuação e luta para divulgar o nosso Estado, de amor pelo teatro e pelas artes cênicas.

Essa atriz, mulher empoderada, inteligentíssima e querida por todos, a esta hora já está se apresentando para Deus, onde o Céu passa a ser a sua nova Morada, o seu tablado… Siga em paz, estrelinha porque aqui estamos todos muito tristes e corações dilacerados….

Em nome do ator, Cícero Belém, deixo toda a minha honra, condolência e respeito aos demais familiares e amigos. Que nosso Pai possa confortar o coração de cada um.

Dulce Miranda
Deputada Federal”
_________________________________

“É com imenso pesar que recebi a notícia do falecimento da atriz Marcélia Belém, por complicações decorrentes de um AVC.

Junto ao seu irmão, Cícero Belém, Marcélia foi uma pioneira no desenvolvimento das artes cênicas no Estado do Tocantins. Com o grupo Chama Viva fez história, encenando peças de autores nacionais e internacionais, além de fomentar a formação de novos artistas e de plateia, e ainda atuar na produção de vários espetáculos, regionais e nacionais.

O teatro tocantinense sofre uma grande perda, mas o nome de Marcélia Belém ficará registrado.

Sigamos acreditando que este não é o fim, mas o começo de uma nova jornada ao lado do Pai.

Jairo Mariano
Presidente da Adetuc”
__________________________________
Neste momento de dor, não há palavras para expressar a tristeza que estamos sentindo pela partida prematura de uma grande referência da cultura tocantinense, a nossa querida atriz portuense, Marcélia Belém.
Uma pessoa incrível, espirituosa e talentosa que, ao lado do seu irmão, Cícero Belém, foram responsáveis por criar a companhia de Teatro “Chama Viva” no Tocantins, levando alegria e entretenimento ao povo tocantinense.
Marcélia Belém deixa um imenso legado pela sua história de vida e trabalho dedicados à educação e cultura do nosso Tocantins.
Meus sinceros sentimentos e solidariedade à família, amigos, fãs e à toda classe artística tocantinense.
Descanse em paz, guerreira!
Valdemar Júnior
Deputado EstaduaL
________________________________

“Os Conselheiros do Conselho de Políticas Culturais do Tocantins, expressam sentimentos de pesar, lamentando profundamente o falecimento da Artista tocantinense MARCÉLIA BELEM!”

NOTA DE PESAR

A trabalhadora da cultura, das artes cênicas, seguiu suas convicções, foi atriz, produtora cultural, educadora, uma estudiosa do campo cultural, debruçou nos sonhos de fazer o seu melhor naquilo que investia, de corpo e alma. Ela atuava e mantinha o sorriso nos lábios, seu olhar transparecia felicidade mesmo cansada após uma temporada de espetáculo.

Sua coragem, sua altivez e equilíbrio dirigindo e atuando vai continuar nos inspirando. O cenário é outro, mas você continua uma “estrela”, o palco da vida rompe
as cortinas e seu voo segue outros planos, as luzes do bem que te iluminam refletem no campo espiritual. Vá com Deus, continuaremos torcendo por sua atuação. Merda pra você!!

A sua história, deixou um legado inegavelmente admirável para a memória cultural do Estado do Tocantins. Uma das líderes e criadora junto com o irmão, ator, diretor e professor, Cícero Belém, da Companhia de teatro “Chama Viva”. Uma das companhias pioneiras de teatro no estado do Tocantins commais de 30 anos de atuação.

A você, “Estrela Tocantina”, nosso reconhecimentoimensurável de todo trabalho legítimo dedicado à arte e a cultura, a “Chamacontinua Viva”!
Aos familiares nosso afeto, nossa solidariedade, que a fé os conforte e Deus seja o amor para superar o momento.

Palmas, 02 de setembro de 2021.
Meire Maria Monteiro
Presidente
Conselho Estadual de Política Cultural – CPC –TO”
___________________________________

"Foi com pesar que recebi a notícia da morte da atriz portuense e articuladora cultural , Marcélia Belém, ocorrida nessa quinta-feira, 2.

Militante pioneira da arte teatral no Estado do Tocantins, Marcélia foi uma das fundadoras da companhia de teatro Chama Viva, ao lado do irmão Cícero Belém, em Porto Nacional. Ela atuou em mais de 20 peças de autores nacionais e internacionais.
Marcélia Belém deixa um legado que vai além do talento em sua trajetória: a luta pelos seus sonhos.

Minhas condolências e solidariedade à família, amigos, fãs e a toda classe artística tocantinense.

Wanderlei Barbosa
Vice-governador do Tocantins"