Em plena pandemia, prefeitos do Tocantins passeiam nos gabinetes em Brasília e dão péssimo exemplo à sociedade

  • 26/Fev/2021 10h13
    Atualizado em: 26/Fev/2021 às 10h17).

*Por Joana Castro

Lavar bem as mãos, usar máscaras, evitar aglomerações e principalmente manter o distanciamento social. Estas são algumas orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS), para evitar a contaminação pelo Coronavírus. Mas, nesta semana, acompanhamos ações totalmente opostas a estas e, pior, executadas por prefeitos, vice-prefeitos e vereadores “representantes” da sociedade, que deveriam ser os primeiros a dar o exemplo.

O motivo da romaria em Brasília, com visitas (e ampla divulgação nas redes sociais) aos gabinetes dos deputados federais e senadores é porque o prazo para indicação das emendas parlamentares ao Orçamento de 2021 encerra nesta segunda-feira, 1º de março. Logo, esta “aglomeração” foi por uma boa causa, não é mesmo? Resposta errada! Qual a necessidade de ir à Brasília no atual cenário pandêmico do país, com mais de 250 mil mortos? Não poderiam adotar a mesma medida do Congresso Nacional com reuniões virtuais? Pior, não sabem os nossos parlamentares das demandas dos municípios que eles representam?

A verdade, como bem sabemos, é que na vida tudo é uma constante troca; vivemos de interesses mútuos, na política então, barganha é o carro chefe. Com as eleições municipais de 2020, dos 139 municípios tocantinenses 89 renovaram seus gestores e 50 prefeitos foram reeleitos. O dado trouxe certa surpresa no campo da política, que apesar de não ser uma ciência exata é possível supor alguns resultados.

Vamos lá! Em 2022 acontecem as eleições estaduais, e estes deputados certamente buscarão a reeleição. Quanto à vaga no Senado, no próximo ano será apenas uma. A renovação exige que as bases nos municípios sejam reestruturadas, e nada melhor do que recursos para se fazer isso. Logo, agora os parlamentares com a maior boa vontade do mundo destinam suas emendas para beneficiar à população e no próximo ano apresentam-nas como prestação de contas para continuarem seus mandatos. Em meio a isso tudo, ter o apoio dos gestores ajuda, não é mesmo?

Mas a questão aqui nem é essa, vamos imaginar o seguinte cenário: gestores dos quatro cantos do País circulando pela Câmara, fazendo aquela tão preciosa network e posteriormente voltando aos municípios. Paralelo a tudo isso, os boletins diários dos índices da covid-19 e aquela mensagem pedindo às pessoas consciência, que evitem aglomeração, afinal estão trabalhando para garantir que tenham saúde. Será mesmo? O comportamento deles deixa claro que discurso e prática não andam juntos, que não cuidam de si e não têm respeito pelos outros. Agora, depois desse tour pela Capital Federal, o mínimo a se fazer é que estas “autoridades” cumpram o isolamento e não propaguem pelo Tocantins a Covid-19 e suas variantes.