Adapec e Polícia Civil desarticulam comércio clandestino de produtos de origem animal em Araguaína

  • 10/Dez/2020 16h06
    Atualizado em: 10/Dez/2020 às 16h11).

Proprietário escondia os produtos falsificados dentro de uma caixa d’água.

Dando sequência ao trabalho de combate ao comércio clandestino de produtos de origem animal, a Agência de Defesa Agropecuária (Adapec) com o apoio da Polícia Civil, apreendeu nessa quarta-feira, 9, cerca de 129 quilos de produtos impróprios para o consumo em um estabelecimento comercial de Araguaína, na região norte do Estado. O infrator foi autuado em dois autos de infração de R$ 5 mil reais cada um pela adulteração de matéria-prima e por esconder e dificultar a fiscalização. Ele ainda foi preso pelos crimes de falsificação, corrupção, adulteração dos produtos alimentícios, comércio e distribuição.

Segundo o gerente de inspeção animal da Adapec, Antônio José de Sousa Caminha, a operação foi desencadeada após denúncia recebida por meio do disque-defesa da Agência, de que esta empresa que já foi credenciada no Serviço de Inspeção Estadual (SIE) e estava com o registro suspenso a pedido da empresa desde agosto deste ano, estaria processando produtos clandestinos, falsificando e utilizando o selo de inspeção estadual em seus produtos. E após abordagem nessa quarta-feira, foi confirmada a denúncia.

O inspetor de defesa agropecuária, Gerson Afonso Faria Nascimento relatou que foi uma operação complexa pelo fato do proprietário dificultar a fiscalização do seu estabelecimento. “Após uma longa conversa conseguimos entrar no local, onde não encontramos nada, porém, insistimos e percebemos pelo odor que havia produtos; então acessamos uma caixa d’água e para nossa surpresa, ele havia escondido os produtos com rótulos falsificados ali, encontramos também 96 embalagens com o selo do SIE. O material foi apreendido e destruído nesta quinta-feira, 10, no aterro sanitário de Araguaína,” contou Gerson.

A investigação descobriu que o estabelecimento estava usando matéria-prima (queijos mussarela) de um outro local clandestino da região do Bico do Papagaio e que foi alvo de fiscalização da Adapec.

Foram apreendidos 38 quilos de bacon, 42 quilos de presunto, 48 quilos de mussarela e 96 embalagens.