PIX está valendo. Especialista em educação financeira alerta sobre cuidados que devem ser tomados

  • 16/Nov/2020 11h52
    Atualizado em: 16/Nov/2020 às 11h56).

A ferramenta financeira do momento é o PIX que, em uma primeira análise, é uma grande evolução em nosso sistema financeiro, possibilitando pagamentos instantâneos que deve substituir o TED e o DOC.

É importante saber que o PIX estava em funcionamento na chamada Fase Restrita. Agora, a partir desta segunda-feira, 16, essa nova opção passará a funcionar a todos os clientes cadastrados, todos os dias, 24 horas. Se por um lado essa novidade amplia muito as opções de pagamentos e transferências bancárias, sem custos, bastando cadastrar uma chave no novo sistema para poder receber as transferências, por outro lado, também existem riscos.

O especialista em Educação Financeira, Reinaldo Domingos, ressalta que o que mais assusta é que essa é uma nova ferramenta para facilitar os gastos desenfreados. Lembrando que o PIX é bastante simples de utilizar pode incentivar ainda mais o consumo compulsivo da população, fato que já é bastante alto e leva milhões de consumidores ao endividamento. As pessoas terão que ter muito mais cuidado na hora das compras.

Ele também ressalta sobre pontos de preocupantes relacionados a golpes financeiros, que são simplificados com essa nova ferramenta, bem como os cuidados de segurança no uso de aparelhos de smartphones, com travas e maiores proteções, bem como cuidado em relação às senhas.

Ou seja, a ferramenta é interessante, mas grande parte da população deve se atentar para um problema que vem ocasionado problemas já há anos que é a facilidade de uso de ferramentas financeiras e a falta de educação financeira.

“Se não for usada com consciência, o PIX pode ser o ocasionador da entrada de milhões de pessoas para o cheque especial e outras linhas de crédito, aumentando ainda mais índices que já são assustadores. A modernidade é importante, mas ela precisa vir acompanhada de conhecimentos, para não termos reflexos não esperados dessas ações”, alerta o especialista.