Em congresso internacional, secretário Rolf Vidal ministra palestra sobre Fatores de Promoção Humana e Sustentabilidade

  • 22/Out/2020 10h16
    Atualizado em: 22/Out/2020 às 10h18).

Crescimento do IDH no Tocantins mereceu destaque

O secretário-chefe da casa Civil do Estado do Tocantins, Rolf Vidal, participou como expositor na tarde dessa quarta-feira, 21, no 1º Fórum Latino-Americano sobre Segurança Humana para os Direitos Humanos e no 12º Congresso Internacional em Direitos Humanos sobre Fatores de Promoção Humana e Sustentabilidade. A sessão foi presidida pelo Professor Doutor e coordenador do mestrado em Prestação Jurisdicional e Direitos Humanos da Universidade Federal do Tocantins (UFT), Gustavo Paschoal.

No evento, que ocorreu por meio de videoconferência, o secretário palestrou sobre os Fatores de Promoção Humana no Estado do Tocantins e de seu crescimento vertiginoso do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH). “A estabilidade político-administrativa gerou um fator de melhoria do IDH e da promoção humana. Então, hoje acreditamos que o Tocantins vai ter a condição de dar um apoio maior aos tocantinenses”, afirmou Rolf Vidal.

Segundo o secretário, a pandemia mostrou que o Estado possui a capacidade de dar um eficiente aporte aos cidadãos tocantinenses. “A pandemia mostrou isso com apoio nas áreas sanitárias, saúde, segurança alimentar, educacional, na tentativa que, voltando a investir, tendo gasto público voltado para as grandes obras, a gente consiga melhorar a vida do cidadão tocantinense, não só em questões per capitas, mas principalmente, vinculadas na promoção humana e IDH”, afirmou.

Rolf Vidal destacou que esse cenário pandêmico trouxe uma série de desafios e dificuldades, mas ele também permitiu um olhar reflexivo dos avanços do Tocantins nos últimos 30 anos. “O Tocantins era o antigo Norte de Goiás e foi por muito tempo conhecido como o corredor da miséria. Mas uma decisão político-administrativa que concretizou a criação do Estado do Tocantins, foi determinante para a promoção humana do povo tocantinense. Isso reforça a ideia da importância dos agentes políticos e da importância de decisões político-administrativas acertadas para que tenham reflexo positivo na vida do cidadão tocantinense”, pontuou.

Conforme Rolf, dados do censo do Instituto Brasileiro Geográfico e Estatístico (IBGE), de 1991, traz o Tocantins com o IDH de 0,36. “É um número muito abaixo da média nacional e que figurava de fato como um dos Estados mais miseráveis do Brasil. A partir dessa autonomia concedida pela Constituinte, com a instalação de fato do Tocantins com todos os seus Poderes, nós observamos que o IDH quase dobrou. Em 1991, foi 0,36, e em 2000 tivemos 0,52. Então, observamos um crescimento que foi concretizado e ampliado na década de 2010, quando esse número chegou a 0,69, já alcançando índices altos, no que diz respeito ao IDH”, ponderou.

LRF

O secretário-chefe da Casa Civil também comentou sobre a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), que o Tocantins se enquadrou em seus limites graças aos esforços do governador Mauro Carlesse. “Em 2018, o atual governador assumiu o comando e recebeu o Estado com um índice de despesa de pessoal de 58%. De acordo com a Lei de Responsabilidade Fiscal, você pode gastar com pessoal, dentro do executivo do Estado, até 49%. No segundo quadrimestre de 2020, o Tocantins fechou com um índice de 42,14%”, apontou.

Pandemia

Em relação à pandemia provocada pelo novo Coronavírus, o secretário-chefe da Casa Civil destacou: “O governador, por meio da Secretaria do Trabalho e Desenvolvimento Social (Setas) levou segurança alimentar aos idosos, assentados, quilombolas e famílias carentes de todo o Estado, e o mesmo foi feito por meio da Secretaria da Educação aos alunos das escolas estaduais e municipais”, disse.

“Nós acreditamos muito no Estado do Tocantins. Acreditamos muito nesse potencial, e trabalhamos diariamente, para que isso se transforme em melhoria para nossa gente. Espero ter contribuído para o debate, e fica o convite às pessoas de outros estados e países, venham conhecer o Tocantins. Uma terra que tem muito a ser construído, mas tem uma gente e um sol calorosos”, finalizou. (Fonte: Secom/Governo do Tocantins)