"CO YVY ORE RETAMA" (Esta Terra é Nossa). Um dia haverá de ser!

  • 24/Set/2020 17h45
    Atualizado em: 24/Set/2020 às 17h48).

*Por Joana Castro

Lamentável! Este é o termo, acredito eu, mais indicado para referirmos ao episódio ocorrido nessa terça-feira, 22, na Assembleia Legislativa do Tocantins. Mas para compreender tal situação é preciso contextualizarmos.

Em função da pandemia do Coronavírus, os deputados estaduais realizaram esta semana um mutirão para agilizar os trabalhos da Casa. Com quórum mínimo de 13 parlamentares, aprovaram o projeto de Lei 33/2020, de autoria do deputado Olyntho Neto (PSDB) que homenageia o agricultor Ivo Carlesse ao sugerir seu nome para o Hospital Geral de Gurupi (HGG), mesmo com parecer contrário da Procuradoria, pois a medida fere a Constituição Federal. O procurador Sérgio Ricardo Vidal assim se manifestou: “Atribuir o nome do falecido pai do atual governador fere o princípio da impessoalidade, na medida em que o homenageado, além do parentesco com o chefe do Poder Executivo, nunca residiu em território tocantinense, silenciando os autos acerca de eventuais serviços prestados ao Estado”.

Não querendo desmerecer a memória do senhor Ivo Carlesse, pai do governador Mauro Carlesse, é importante mencionar que o agricultor, natural de Promissão (SP) e desbravador do Paraná, faleceu em 1974, e sua contribuição para a história do Tocantins não existe, até porque naquela época nem o Tocantins existia.
Ressalte-se ainda, que os recursos para construção do Hospital Geral de Gurupi são oriundos de convênios, emendas de bancada, ou seja, dinheiro público. Cabe o questionamento. Se o deputado faz tanta questão em homenagear o pai do atual governador, não seria o caso de fazê-lo de forma pessoal, como por exemplo, colocar o nome em um filho seu?

E a indignação não para por aí. Não bastasse a sugestão feita por Olyntho Neto, ela foi acatada pelo presidente da Comissão de Constituição e Justiça e referendada por 12 parlamentares que aprovaram o PL em votação, no mesmo dia e em dois turnos. Isso nada mais é do que destacar que eles tiveram duas vezes a oportunidade de avaliar o ato. O Projeto de Lei 33/2020 segue para publicação no Diário Oficial do Tocantins (DOE). Neste contexto, o deputado estadual Júnior Geo (PROS), que foi voto vencido e merece ser parabenizado.

O deputado justificou sua posição ao defender que o Sindicato dos Médicos no Tocantins apresentou três nomes, que deveriam ao menos serem analisados. As indicações do SIMED são de médicos pioneiros em Gurupi, todos com larga folha de serviços prestados à comunidade gurupiense. Profissionais que aceitaram o desafio em trabalhar quando esse território ainda era o esquecido norte de Goiás, que não lhes ofertava infraestrutura e condições mínimas dede trabalho.
O Dr. Colemar Rodrigues de Cerqueira, filho da cidade-mãe do Tocantins – Natividade, que sofreu um AVC ao chegar ao plantão no Hospital onde trabalhava. O Dr. João Neves de Paula Teixeira, pioneiro em Gurupi, servidor efetivo do Estado do Tocantins e que veio a óbito em julho deste ano vítima da covid 19, e o Dr. Gilberto Resende Rocha, que com outros médicos pioneiros, construiu o Hospital Delfino Aguiar onde atendia além da população de Gurupi, pessoas necessitadas de comunidades vizinhas, foram os nomes sugeridos pelo Simed .

Ainda que em plena pandemia, onde testemunhamos diariamente a atuação dos profissionais da saúde. Apesar do apelo da classe. Ainda que.... Pelo visto estes elementos não foram suficientes para convencer os parlamentares. É lamentável ver que o suor de muitos, muitos que acreditaram, lutaram e construíram este Estado não os torna dignos de tamanha honraria.

É preciso muito cuidado para que o Tocantins não se transforme em terra de ninguém. Homenagear nativos ou pioneiros é um ato de reconhecimento aos valorosos homens e mulheres que lutaram por esse Estado. Na defesa do símbolo maior do nosso Brasão, “CO YVY ORE RETAMA”, não podemos ser omissos.

A nossa solidariedade aos médicos, aos profissionais da saúde e a todos que com muita garra constroem o Tocantins.