Vazio sanitário do algodão começa no Tocantins a partir do dia 20 de setembro

  • 17/Set/2020 15h58
    Atualizado em: 17/Set/2020 às 16h02).

O período de vazio sanitário do algodão que começa no próximo dia 20 seguirá até o dia 20 de novembro.

Em crescimento no Tocantins, a cultura do algodão também é normatizada por lei para o controle de pragas, por isso, a Agência de Defesa Agropecuária (Adapec), em consonância com a legislação federal, instituiu por meio da Instrução Normativa nº 05 de 1º de abril de 2019, o período de vazio sanitário do algodão, que se inicia no próximo dia 20 de setembro e segue até o dia 20 de novembro. Neste período, os cotonicultores estão proibidos de manter o plantio da oleaginosa. A medida é fundamental para prevenir e controlar o bicudo do algodoeiro, a principal praga que ataca a cultura.

No Tocantins, a Adapec é o órgão responsável pelo monitoramento e fiscalização no campo para garantir que não haja plantas com risco fitossanitário durante o vazio sanitário. Segundo a responsável técnica pelo Programa Estadual de Controle do Bicudo do Algodoeiro, Dinorah Andrade, “o vazio sanitário do algodão é fundamental para evitar a proliferação da principal praga da cotonicultura, o bicudo do algodoeiro”.

Durante o vazio sanitário, a Adapec irá monitorar as áreas de plantio cadastradas no órgão, orientando os produtores da importância da eliminação de todas as plantas com risco fitossanitário por meio de controle químico ou mecânico. De acordo com a legislação, em caso de presença de plantas vivas, o processo de eliminação é de responsabilidade do proprietário ou ocupante da área, e, o produtor que for notificado pela Agência, e não eliminar as plantas estará sujeito a sanções previstas em lei.

Para o presidente da Adapec, Alberto Mendes da Rocha, a cultura do algodão tem grande potencial de crescimento no Estado, e por isso, a Agência já está preparada para garantir que o produto tocantinense não seja atingido por alguma praga que ocasione prejuízos econômicos aos produtores e que fortaleça ainda mais a economia.

Vale ressaltar que durante o período de vazio sanitário a Adapec poderá autorizar a semeadura e manejo de plantas vivas do algodão quando destinado à produção de sementes genética e pesquisa cientifica, previstos na IN 05.

Dados

Segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (CONAB), o Tocantins possui atualmente uma área estimada em 6.740 hectares distribuída entre os municípios de Campos Lindos, Dianópolis, Mateiros, Peixe e Tocantínia. A produção estimada na safra 2019/2020 é de 26.100 toneladas de algodão em caroço, contando com a participação de oito produtores de algodão, que se concentram, em sua maioria, na região sul do Estado.

Bicudo do Algodoeiro

Os adultos são besouros com coloração cinza ou castanha, com 3mm a 7mm de cumprimento. Infesta as lavouras de algodão desde o início da emissão de botões florais até a colheita, podendo ter de 4 a 6 gerações em um ciclo da cultura e se não controlado pode causar perdas de até 70% da produção.