Militante do MDB de Gurupi contesta decisão de Marcelo Miranda de retirar comando do partido de Dolores Nunes

  • 12/Set/2020 15h16
    Atualizado em: 12/Set/2020 às 15h21).

Paulinho Cangati, filiado e militante do MDB de Gurupi, divulga carta contestando a decisão do ex-governador e presidente regional do partido, Marcelo Miranda, de retirar da ex-deputada Dolores Nunes o comando do Diretório da sigla em Gurupi.

Cangati, relembra a história da família Nunes com o partido desde os tempos do norte de Goiás, sempre presente e lutando pelo Tocantins. Ele ressalta que “o MDB de Gurupi sempre esteve junto a Marcelo Miranda em todas as decisões importantes e que lhe deram grandes vitórias”, e classifica como “um gesto infeliz na tentativa de uma humilhação que ficará marcado na história. Afinal de contas, o MDB de Gurupi e sua história merecem respeito”, conclui. Veja íntegra da carta.

"MDB de Gurupi: a História merece respeito

Como separar a história do MDB do sobrenome NUNES? Desde os difíceis tempos do nosso norte de Goiás, da paixão por uma independência materializada com a divisão. Uma separação que unia todos. E o MDB esteve lá sempre presente, lutando, desprendido e forte, ao lado de inimigos históricos por um único ideal: o Tocantins.

E nessa época o MDB de Gurupi já se fazia ouvir em todo Estado, com voz e força na capital Goiânia, sob a batuta do comandante Jacinto NUNES, Líder inovador e transformador que direcionou a sua Gurupi na direção da prosperidade e desenvolvimento que vemos hoje. Nos trouxe João Cruz, peemedebista de primeira hora, que tanto honrou seu partido com sua dedicação ao seu município. Dolores, sempre firme, próxima que de quem precisa, seja nos bairros de Gurupi, na Assembleia Legislativa e/ou no Congresso em Brasília. Seguida de perto pela filha, peemedebista frenética e incansável, Josi NUNES. Quantas vezes vimos Josi dividida entre o amor e sua lealdade ao MDB e algumas condutas que não concordava por sua consciência popular e democrática. Dilema que sempre teve o cuidado de resolver de uma forma, como política legítima que sempre foi, servindo aos dois ao mesmo tempo. Com decência e essência. E foi em um desses embates, depois de sacrificada por votar com seu partido em Brasília, que ela teve que decidir por sua consciência e a do povo a quem sempre serviu sob a bandeira do MDB e caprichos partidários, de um partido já não tão convicto de origem de defesa da honra e da democracia: votação de medidas impopulares e escolhas muito menos ainda. O fim da linha dessa jornada iniciada com MDB e NUNES tem seu começo aí. Josi não vota contra sua bandeira partidária mas também não aceita imposição à sua consciência. O já então PMDB, e sua direção nacional, tenta forçar e Josi não aceita e foi, no mínimo, abandonada pela direção estadual que se sentiu acuada por Brasília e não deu a um de seus melhores quadros, Josi NUNES, o apoio que ela sempre dedicou ao seu partido.

Todo gurupiense sabe do relacionamento umbilical da família NUNES com o MDB. É como se fossem pai e filho, irmão e irmã, sofrendo e se alegrando nos bons e maus momentos, mas sempre trilhando o mesmo caminho.

Isso desde Jacinto Nunes e Dolores até Josi, que cresceu com partido no sangue até se tornar deputada federal. Na Câmara dos Deputados, seguiu todas as orientações da liderança do MDB, mesmo contra suas convicções, ausentando-se em apenas uma votação.

E se não foi suficiente ser perseguida em nível nacional, sem receber nenhum apoio em nível estadual se viu obrigada a buscar abrigo em outra legenda. Agora, parecia que o diretório regional do MDB faria justiça com Gurupi e com uma filiada autêntica, apaixonada e fiel, Dolores Nunes, ao nomeá-la presidente da Comissão Executiva do partido no município.

Mas, eis que a falta de respeito com história do MDB em Gurupi toma vulto mais uma vez, com o presidente licenciado do diretório regional que reassume o cargo apenas para reiterar a injustiça com a família Nunes e a cidade, destituindo à tarde a comissão provisória aprovada pela maioria dos membros da executiva estadual pela manhã.

Vale ressaltar que o MDB de Gurupi sempre esteve junto a Marcelo Miranda em todas as decisões importantes e que lhe deram grandes vitórias.
Foi um gesto infeliz na tentativa de uma humilhação que ficará marcado na história. Afinal de contas, o MDB de Gurupi e sua história merecem respeito.

Paulinho Cangati
Filiado no MDB de Gurupi"

Entenda


Após intervenção no Diretório Municipal de Gurupi, com a destituição de seu presidente Chiquim, pelo Diretório Regional, ainda no comando do então presidente Nilton Franco, foi formada uma nova comissão provisória do MDB e nomeada presidente a ex-deputada Dolores Nunes. Mas a nova direção durou poucas horas.

Na sexta-feira, 11, logo após reassumir o comando regional do partido, o ex-governador Marcelo Miranda, dissolveu a comissão provisória, tirando o comando de Dolores passando para Thiago Torquato, que é irmão do pré-candidato a prefeito da base de Laurez Moreira (PSDB), o ex-secretário municipal Gutierres Torquato (PSB). O acordo, inclusive contou com a presença de Herbert Brito, o Buti, secretário-geral do MDB do Tocantins.

Briga na justiça

Destituído do cargo, o ex-presidente do diretório do MDB de Gurupi, Chiquim, ingressou com um mandado de segurança contra a intervenção da Executiva Estadual do partido. Na ação, ele pede o cancelamento da reunião ocorrida no da 3, quando a decisão pela dissolução do diretório ficou empatada em 4 a 4.

Segundo o vice-presidente do MDB Tocantins, deputado estadual Nilton Franco, o estatuto do MDB fala em decisão por maioria absoluta. Dessa forma, o parlamentar convocou outra votação para o dia 9, quando o placar foi 8 a 2 e o diretório de Gurupi foi dissolvido.