Instituto Não Aceito Corrupção lança prêmio de até seis mil reais para iniciativas de combate à corrupção

  • 26/Ago/2020 10h09
    Atualizado em: 26/Ago/2020 às 10h14).

Vencedor da primeira edição teve proposta incluída no pacote das 70 medidas contra corrupção da Transparência Internacional apresentado no Congresso em 2018

As inscrições para a segunda edição do Prêmio Não Aceito Corrupção vão até dia 8 de setembro. Realizado pelo Instituto Não Aceito Corrupção (INAC) em parceria com o Instituto Jatobás, a iniciativa tem o objetivo de estimular estudantes e professores a aprofundar a discussão sobre conceitos e soluções práticas relacionadas à corrupção e seu combate no Brasil.

Um dos vencedores da edição passada teve o projeto depois incluído no livro elaborado pela Transparência Internacional “Novas Medidas Contra a Corrupção”, que elencou 70 ações que podem ser feitas nesta área. O pacote foi apresentado à Câmara dos Deputados em 2018 e apoiado por mais de 300 entidades.

Neste ano, além da categoria academia, duas outras também serão premiadas: tecnologia, por meio do desenvolvimento de aplicativos ou softwares, e comunicação, com o desenvolvimento de peças de comunicação anticorrupção. Mais de dez projetos já se inscreveram, entre papers acadêmicos e peças de comunicação.

O melhor projeto de cada categorias será premiado com R$ 6 mil, além do troféu Prêmio Não Aceito Corrupção, o segundo colocado com R$ 3 mil e o terceiro com R$ 1 mil.

"O que se espera com o Prêmio é que ele venha a contribuir com o desenvolvimento sustentável por meio do aprofundamento das discussões e conhecimentos relativos ao combate inteligente à corrupção, bem como o desenvolvimento de ferramentas aplicáveis à construção de uma cidadania ética e solidária", explica Roberto Livianu, presidente do INAC.

Como participar

Podem participar, individualmente ou em equipes de até três integrantes, estudantes maiores de 18 anos, ou formados em 2019 em cursos de graduação ou pós-graduação. Já os professores atuarão como orientadores das equipes inscritas.

As equipes serão avaliadas pela banca de especialistas composta por Marcelo Tas, apresentador da TV Cultura; Reynaldo Goto, diretor de compliance da BRF; Fernando Rodrigues, diretor de redação do jornal digital Poder360; Bruno Brandão, diretor-executivo da Transparência Internacional no Brasil; Paulo Saldiva, médico patologista e professor da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo; Ágatha Paraventi, doutora e mestre em Ciências da Comunicação e Laura Barros, procuradora do Município de São Paulo.

As inscrições podem ser feitas pelo site do Prêmio, por meio de preenchimento do formulário eletrônico.