Técnicos do Caosaúde constatam que Barreira Sanitária do Terminal Rodoviário de Palmas não está funcionando

  • 08/Jul/2020 10h56
    Atualizado em: 08/Jul/2020 às 10h58).

A constatação se deu quando da vistoria realizada pelo Caosaúde, na sexta-feira, 3

Durante inspeção realizada no Terminal Rodoviário de Palmas, na última sexta-feira, 3, entre 15h e 16h10, o Ministério Público do Tocantins (MPTO) verificou que a barreira sanitária, cuja instalação foi proposta pelo Gabinete Permanente Interinstitucional (GPI), composto pelos ministérios públicos Estadual, Federal e do Trabalho, como forma de conter a transmissão do novo coronavírus não estava funcionando.

Em relatório, os técnicos do Centro de Apoio Operacional da Saúde (Caosaúde) do MPTO relataram não ter encontrado nenhum fiscal da Vigilância Sanitária ou constatado o funcionamento de barreira sanitária no local. Porém, conforme relato de pessoas que trabalham na rodoviária, os servidores da Vigilância Sanitária haviam permanecido no local até às 12 horas daquele dia e que eles costumam atuar na rodoviária somente no período da manhã.

A instalação da barreira sanitária foi recomendada pelos órgãos de controle à Prefeitura de Palmas e à Secretaria Municipal de Saúde, em 18 de junho, considerando a recente alta no número de casos confirmados da Covid-19 em Palmas e em outros municípios tocantinenses.

A recomendação orientava que o plantão da vigilância sanitária deveria funcionar durante as 24 horas do dia, atuando na verificação das condições de saúde, na triagem e na prestação de orientações aos viajantes provenientes de regiões com casos confirmados da Covid-19.

Em resposta aos órgãos de controle, no final de junho a Prefeitura de Palmas informou que a barreira sanitária seria instalada e funcionaria entre os dias 1º e 30 de julho.

O relatório da vistoria do Centro de Apoio Operacional da Saúde (Caosaúde) será encaminhado aos órgãos que expediram a recomendação.