A pessoa idosa em período de pandemia

  • 30/Abr/2020 17h00
    Atualizado em: 30/Abr/2020 às 17h04).

*Por Rafael Dias

O Covid-19 tem assustado muito, diariamente estamos cansados de assistir nas emissoras televisivas, as inúmeras medidas para que se evite a contaminação, deste tão temido inimigo invisível chamado coronavírus.

O mundo ultrapassou no último sábado, 25, a cifra de 200.000 mortes, e o Reino Unido superou nesse dia os 20.000 mortos em hospitais. Esta cifra não leva em conta as mortes ocorridas em lares geriátricos onde, segundo representantes do setor, milhares de idosos teriam morrido. Infelizmente esse vírus é um terrível inimigo principalmente em idosos, pacientes crônicos e pessoas com imunidade comprometida por variadas circunstâncias médicas.

Outro dia, na rede social, deparei-me com um comentário maldoso de uma internauta sem noção, a mesma afirmava: “tem muitos idosos que já viveram o suficiente”, é lamentável, confesso que fiquei muito abismado em ler algo tão cruel, em sua insignificante afirmação, para ela, as ações governamentais certamente teria que ser eficaz somente para as crianças e jovens?

Nesse sentido, como é ser idoso em tempos viróticos de Covid-19? Esta é uma questão que tanto a sociedade em geral e principalmente os nossos atuais governantes deveriam refletir; é muito fácil falarmos de isolamento social, estando todos nós em nosso conforto de nossa casa, geladeira cheia de alimentos, netflix, vídeo-game, acontece que grande parte dos nossos idosos vive em situação domiciliar de pobreza e são portadores de diabetes, disfunção renal, doenças pulmonares e cardiopatias, e essas aludidas doenças estão entre as mais perigosas nos casos graves de Covid-19.

Segundo estatística comprovada, mais de 1,8 milhões de idosos reside em São Paulo, destes, 300 mil idosos moram sozinhos na cidade de São Paulo e pouco mais de 8 mil dizem não ter a quem pedir ajuda caso necessitem.

No Estado do Tocantins, temos mais de 228 mil idosos, na capital Palmas mais de 28 mil idosos o que representa 9,4% do total de 200 mil habitantes, segundo dados demonstrado pelo IBGE.

Neste momento tão crucial que estamos vivendo na pandemia, os idosos precisam da ajuda de todos, para não serem expostos a uma doença que pode ser letal.

Assim, percebe-se o quão é necessário a sociedade e os atuais governantes possuírem essa compreensão, e vou mais além, cabe a cada um de nós, ajudarmos de alguma forma nossos idosos, o momento é agora, não adianta ficarmos de braços cruzados, que tal ligar para algum parente, amigo ou vizinho idoso? Verificar se estão precisando de algo, se os medicamentos estão em dia, ou de repente apenas levar uma palavra de conforto e provar a cada um o quanto são queridos.

Deste modo, estaremos oferecendo apoio para aqueles idosos que estão necessitando de cuidados; precisamos valorizar a vida. Seu gesto de amor será exemplo para outras pessoas, inclusive para os próprios filhos e filhas. Vamos reprogramar nossas rotinas e cada decisão do nosso dia a dia para nova configuração adequada, a quem depende do nosso olhar neste momento de pandemia.

*Rafael Dias é Especialista em Estado de Direito em Combate à Corrupção – Especialista em Direito Público com ênfase Administrativo, Constitucional e Tributário – Radialista – Cantor/Compositor – fundador da 1ª Orquestra Sanfônica do Tocantins.
E-mail: rafaeldiaspalmas@gmail.com  Instagran: @rafaeldiaspalmas Twitter: @rafaeldiaspmw