Romeu e Julieta estreia nesta quinta, 8, em sessões especiais para escolas públicas e particulares

  • 06/Ago/2019 17h53
    Atualizado em: 06/Ago/2019 às 17h56).
Romeu e Julieta estreia nesta quinta, 8, em sessões especiais para escolas públicas e particulares Foto: Júnior Susuki

A Cia de Teatro Fernanda Montenegro estreia mais uma produção nesta quinta-feira, 8. Romeu e Julieta, de William Shakespeare é a terceira produção da Cia, formada por alunos de teatro do Centro de Ensino e Treinamento Artístico (Ceta) da Fundação Cultural de Palmas (FCP). Nos dias 8 e 9 as apresentações acontecem às 15h, para alunos de escolas públicas e particulares de Palmas, e às 19h, para universitários. Já nos dias 10 e 11, às 20h, a encenação é para o grande público, sempre no Theatro Fernanda Montenegro.

Clássica e atual, Romeu e Julieta, a história de amor e ódio entre Montéquios e Capuletos é uma aventura pelo universo Shakespeariano. A peça, uma das primeiras tragédias de Shakespeare, foi composta e encenada por volta de 1595, e desde então reproduzida em diversas versões, na literatura, teatro, cinema e dança.

Professor e diretor do espetáculo, Cícero Belém, explica que a versão do texto encenado pela Cia de Teatro Fernanda Montenegro está baseada na tradução da crítica teatral Barbara Heliodora, “porém com recortes e adaptações resultantes dos estudos do texto desenvolvidos com os atores ao longo de quatro meses de trabalho. Os figurinos e o texto seguem a estrutura clássica, entretanto a marcação das cenas, a trilha sonora e o ritmo da encenação contam com pitadas de contemporaneidade que visam tornar o espetáculo ágil, dinâmico, juvenil e com a cara e a força dos jovens atores que o encenam”, ressalta.

Para Belém, a genialidade de Shakespeare torna a obra atualíssima, fato que a coloca como uma das principais obras dramáticas mais encenadas no teatro e no cinema em todos os tempos. Não obstante, além do tema amoroso, outros temas se desenvolvem, inclusive de natureza política bastante atuais no cotidiano brasileiro com situações que envolvem ódio, ira, rancor, inquietações religiosas e morais, espiritualidade e humor. “Estes temas presentes na sociedade do século XVI continuam nos dias atuais. Tudo isso foi razão de debates e discussões durante os estudos, visando a contextualização da encenação”.

“Estamos preparando um espetáculo que possa divertir, entreter e emocionar as pessoas. É uma tragédia de amor, contada e recontada de diversas formas pelo mundo afora, estamos buscando imprimir nossa narrativa, com um modo nosso de contar esta história universal”, conclui.

Cenografia

A cenografia parte da ideia do espaço vazio e das subjetividades do tema amor. Tudo vai tomando forma na medida que a tragédia se instaura, levando para cena poucos elementos cenográficos, porém apoiados pela iluminação cênica, assinada por Charles Nunes. A pesquisa de figurinos e cenografia foram desenvolvidos pelo ator Marcelo Teixeira, aluno da oficina Livre de Teatro e contou com a supervisão e designer de Ronan Gonçalves e Cláudio Montanari, cenógrafos e professores do Centro de Ensino e Treinamento Artístico da FCP.

A preparação do elenco também conta com a colaboração do professor e coreógrafo João Vicente.

Sobre a Cia. de Teatro Fernanda Montenegro

Fundada em 2017, a Cia de Teatro Fernanda Montenegro é formada por alunos das oficinas livres de formação teatral realizadas pelo Centro de Ensino e Treinamento Artístico (Ceta), da Fundação Cultural de Palmas, sob a coordenação e direção do diretor, ator e professor Cícero Belém. Desde então, realizou a montagem de dois espetáculos: Branca de Neve e os Sete Anões, inspirada na obra dos Irmãos Grimm e Pluft o fantasminha, da dramaturga brasileira Maria Clara Machado.

Estruturada em dois núcleos de estudos e produção de espetáculos, prepara agora as montagens dos espetáculos Romeu e Julieta, de William Shakespeare e Auto da Compadecida, de Ariano Suassuna, ambos sob direção de Cícero Belém.

Sinopse

Dois jovens se apaixonam perdidamente, mas suas famílias têm uma longa história de disputas, rixas e intolerância. Romeu, um Montéquio, pretende casar-se com Rosalina, muda de ideia quando conhece Julieta, a filha única dos Capuleto. Um dos pontos altos da obra é o duelo que ocorre entre Teobaldo, primo de Julieta, Mercúcio, amigo de Romeu, e o próprio Romeu.