Inaugurada neste sábado, 3, a ETI Agroecológica Profº Fidêncio Bogo

  • 03/Ago/2019 16h30
    Atualizado em: 03/Ago/2019 às 16h34).
Inaugurada neste sábado, 3, a ETI  Agroecológica Profº Fidêncio Bogo Foto: Regiane Rocha - Secom/Palmas

Numa solenidade bastante prestigiada por autoridades, profissionais da educação e populares, a prefeita Cinhia Ribeiro inaugurou na manhã deste sábado, 3, a Escola de Tempo Integral (ETI) Agroecológica Professor Fidêncio Bogo, cuja proposta pedagógica está voltada para a qualificação profissional dos alunos, comfoco no empreendedorismo agroecológico e turismo rural.

Conforme a Secretara Municipal de Educação de Palmas, a escola foi concebida para aliar as matérias do currículo regular com o ensino e divulgação de práticas agroecológicas, e traz uma série de equipamentos diferenciados cujo objetivo é levar o aluno à reflexão acerca da temática ambiental e adquirir ferramentas de intervenção positiva junto ao meio ambiente.

A escola está instalada em uma área de seis mil metros quadrados doados pela Arquidiocese de Palmas, dos quais, mil metros, que ocupam as margens do Ribeirão Taquarussu Grande, estão destinados à preservação permanente.

O evento foi abrilhantado pela banda de música da Guarda Metropolitana de Palmas, que executou além do Hino Nacional, diversas músicas do cancioneiro brasileiro, recitação de poemas de autoria do homenageado por alunos e professores da ETI.

Numa demonstração de agradecimento e carinho para com o homenageado, reconhecendo seu legado na educação do município, a comunidade nativitana, representada por um grupo de ex-alunos e amigos da família marcaram presença no evento.


Perfil do homenageado

Fidêncio Bogo nasceu em 12 de maio de 1931, em Rio do Oeste, Santa Catarina. É neto de italianos e filho de colonos. Aos 23 anos, sagrou-se sacerdote em São Manuel, interior paulista. Em 1962-3, dirigiu o Ginásio Euclides da Cunha, em Boa Vista, Roraima, de onde seguiu para Roma a fim de pós graduar-se em Filosofia na Pontifícia Universidade Urbaniana.

Em 1967 retorna ao Brasil, já com planos de abandonar a vida religiosa, o que realizou em1968, em sua terra natal, com a devida autorização pontifícia. Em 1970, acontece o casamento e a mudança para o norte do Paraná, Jandaia do Sul, onde foi secretário da Faculdade de Filosofia local e, de 1973 a 1975, professor da Faculdade de Filosofia de Mandaguari. Em 1976, mudou-se para Natividade, com a mulher e as duas filhas (a terceira é tocantinense de Porto Nacional). Foi diretor de três colégios, em Natividade e em Porto Nacional. Em 1985, muda-se para Porto Nacional, a fim de lecionar na recém-criada Faculdade de Filosofia do Norte Goiano (Fafing).

Foi membro do Conselho Estadual de Educação durante onze anos; membro da Comissão de Implantação da Unitins – Universidade do Tocantins, como autarquia em Miracema, de 1991 a 1993; Presidente do Conselho Municipal de Educação de Palmas de 1998 a 2000. Foi o primeiro professor da Ulbra de Palmas (1993). É membro, desde o início, da Academia Tocantinense de Letras e da Academia Palmense de Letras. Recebeu o título de Cidadão Nativitano, Cidadão Palmense e Cidadão Tocantinense.

A esposa de Fidêncio Bogo (in memorian) , Iria Bogo afirma que toda a família ficou muito feliz e agradecida pela lembrança do nome de seu marido para batizar a escola e pelo reconhecimento ao seu legado. “Eu considero que é uma homenagem merecida, pois ele trabalhou muito pela educação do Tocantins. Tenho certeza que ele iria aprovar com louvor a temática desta escola, pois era um apaixonado e defensor da natureza”, considera.