Tocantins tem mais de 55 mil pessoas com diabetes

  • 29/Jun/2019 15h53
    Atualizado em: 29/Jun/2019 às 15h59).
Tocantins tem mais de 55 mil pessoas com diabetes Foto: Reprodução internet

Com o objetivo de promover a conscientização da sociedade sobre a doença e as formas de tratamento, o dia 27 de junho foi instituído como o dia internacional do diabético. O diabetes é uma doença crônica na qual o pâncreas não produz insulina suficiente ou quando o corpo não consegue utilizá-la de maneira eficaz.

 

Segundo os dados repassados pelos municípios à Gerência de Agravos não Transmissíveis da Secretaria de Estado da Saúde, atualmente no Tocantins existem 29.836 pessoas diabéticas e 25.872 pessoas diabéticas com hipertensão, totalizando 55.708 portadores da doença.

 

A técnica da área de doenças crônicas, Sheila Márcia Machado, explicou que o atendimento aos portadores da doença é realizado pela atenção primária, fornecida pelos municípios nas Unidades Básicas de Saúde, sendo de competência do Estado a distribuição das doses de insulina para os municípios, que por sua vez repassam para os pacientes.

 

No último trimestre foram disponibilizados 9.598 frascos de Insulinas NPH e 1.950 frascos de insulina regular para os municípios tocantinenses. A Insulina NPH possui uma ação mais prolongada no organismo com duração de 12 a 20 horas; já a Insulina regular tem uma ação mais rápida e ajuda a manter os níveis glicêmicos estáveis após as refeições”, afirmou Sheila.

 

Diagnóstico do diabetes

 

O Ministério da Saúde ressalta que o diagnóstico do diabetes é feito por um simples exame de sangue. Com uma gotinha de sangue, retirada de um dos dedos da mão, é possível ver se há alguma alteração na taxa de glicemia.

Esse teste inicial leva, no máximo, três minutos para mostrar o resultado. Se for identificada uma alteração considerável, o médico solicitará outros exames clínicos e laboratoriais mais profundos e detalhados, como o teste oral de tolerância à glicose (Curva Glicêmica).

Esse exame é feito em diversas etapas, em que são coletadas amostras de sangue em um tempo determinado, geralmente de 30 em 30 minutos.

Fatores de risco para o diabetes

 

A ausência de hábitos saudáveis são os principais fatores de risco, além da genética. Os principais fatores são: Diagnóstico de pré-diabetes; Pressão alta; Colesterol alto ou alterações na taxa de triglicérides no sangue; Sobrepeso, principalmente se a gordura estiver concentrada em volta da cintura; Pais, irmãos ou parentes próximos com diabetes; Doenças renais crônicas; Mulher que deu à luz criança com mais de 4kg; Diabetes gestacional; Síndrome de ovários policísticos. Diagnóstico de distúrbios psiquiátricos (esquizofrenia, depressão, transtorno bipolar); Apneia do sono; Uso de medicamentos da classe dos glicocorticoides.