26 de Abril: Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão Arterial

  • 22/Abr/2019 11h08
    Atualizado em: 22/Abr/2019 às 11h13).
26 de Abril: Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão Arterial Foto: Reprodução internet

Apesar de a Hipertensão Arterial Sistêmica, popularmente conhecida como pressão alta, ser uma das disfunções mais prevalentes na população, ela ainda segue negligenciada e causa consequências sérias que podem levar à incapacitação e morte. Uma triste realidade que leva a Sociedade Brasileira de Arritmias Cardíacas (SOBRAC) a reunir dados essenciais para o esclarecimento do público leigo, a fim de estabelecer medidas de prevenção e melhor atendimento das intercorrências geradas pela doença.

“No Brasil, cerca de 36 milhões (32,5%) de indivíduos adultos são hipertensos, sendo mais de 60% idosos, o que contribui direta ou indiretamente para 50% das mortes por doença cardiovascular devido a alterações na função do coração, o que inclui as arritmias cardíacas. Entre 80 a 90% das mortes súbitas cardíacas (MSC) são consequência de algum tipo de arritmia. Além disso, a hipertensão é um dos principais fatores de risco para a ocorrência da fibrilação atrial, que pode estar ligada à ocorrência de Acidente Vascular Cerebral (AVC)”, relata o cardiologista membro da SOBRAC, Dr. Cristiano Pisani.

A grande maioria dos casos de pressão alta é assintomática, do tipo primária, geneticamente determinada, com pessoas sensíveis ao excesso de sal/sódio. Mas a hipertensão também pode ser secundária, em decorrência de doenças renais, por exemplo, entre outras. Assim, conhecer a sua origem é fundamental para a adoção de medidas preventivas e introdução ao tratamento adequado.

O que é importante saber:

1 – O que é Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS)?

A hipertensão é caracterizada por elevação sustentada dos níveis de pressão arterial, acima de 140x90 mmHg (milímetro de mercúrio) – popularmente conhecida como 14/9. O primeiro número se refere à pressão máxima ou sistólica, que corresponde à contração do coração; o segundo, à pressão do movimento de diástole, quando o coração relaxa.

Embora a HAS primária não tenha cura, pode ser controlada com medicamentos e algumas mudanças no estilo de vida do paciente. Já a HAS secundária pode ser curável, dependendo da causa.

2 - Como diagnosticar a doença?

A hipertensão é diagnosticada pela aferição da pressão arterial, que deve ser realizada por um médico e/ou outros profissionais capacitados da saúde. É imprescindível a utilização de técnicas adequadas, além de equipamentos “calibrados” e validados. No consultório, o médico inicia a avaliação fazendo a anamnese, ou seja, averiguando o histórico médico pessoal e familiar do paciente, seguido de um exame físico. Também podem ser necessários exames laboratoriais e outros subsidiários.

3 – Quais os sintomas da pressão alta?

Na maioria dos pacientes a pressão alta é assintomática, mas os pacientes em algumas situações apresentam dor ou pressão na cabeça, especialmente na nuca, sangramento nasal, cansaço excessivo aos esforços, tonturas, fadiga e inquietação, características que podem facilmente ser confundidas com ansiedade.
4 – O que pode causar a hipertensão?

Hereditariedade, envelhecimento, obesidade, apneia obstrutiva do sono, excesso no consumo de sal em pessoas sensíveis e estresse são as causas mais comuns. Tabagismo, consumo exagerado de bebida alcoólica e sedentarismo também interferem no desenvolvimento da pressão alta.

Outros fatores são doenças prévias, como problemas renais, o hipertireoidismo, uso excessivo de anti-inflamatórios não-hormonais, corticosteroide e alguns tipos de anticoncepcionais. Um ponto interessante é que as causas de hipertensão são as mesmas da fibrilação atrial.

5 - Quais as consequências da pressão alta?

A mais conhecida é o Acidente Vascular Cerebral (AVC), popularmente chamado de derrame, e a segunda maior causa de mortes em todo mundo. Pode ocorrer tanto pela ruptura dos vasos sanguíneos, resultando em hemorragias ou acidentes vasculares cerebrais hemorrágicos, como pela fibrilação atrial (FA), arritmia cardíaca com riscos de formação de coágulos no interior dos átrios que, ao se desprenderem pela corrente sanguínea, entopem as artérias cerebrais e causam a isquemia (AVC isquêmico).

Atualmente a FA tem incidência em 2,5% da população mundial, o equivalente a 175 milhões de pessoas, e é encontrada principalmente na terceira idade.

6 - Qual o tratamento da pressão alta?

A hipertensão pode ser controlada com medidas multiprofissionais, que contemplem medicações especificas e mudanças de hábitos alimentares, além de atividade física.

O diagnóstico preciso e o melhor método de tratamento devem ser orientados por um clínico ou cardiologista. É importante que o paciente siga as recomendações médicas, não se automedique e nem interrompa o uso de medicamentos recomendados para o controle da doença.

A fonte

Dr. Cristiano Pisani é médico eletrofisiologista habilitado pela SOBRAC, doutor em cardiologia pela FMUSP e médico assistente da Unidade de Arritmia do Incor/HC/FMUSP.