PSB realiza seminário internacional sobre economia criativa

  • 16/Mar/2019 16h27
    Atualizado em: 16/Mar/2019 às 16h32).
PSB realiza seminário internacional sobre economia criativa Foto:

O PSB e a Fundação João Mangabeira (FJM) realizam nos dias 21 e 22 de março, em Brasília, o Seminário Internacional Economia Criativa como Estratégia de Desenvolvimento.

Durante os dois dias, o evento terá palestra de abertura e painéis temáticos com alguns dos maiores especialistas e autoridades nacionais e internacionais no assunto.

Pela primeira vez, o PSB promove um seminário internacional sobre o tema. A economia criativa como estratégia de desenvolvimento foi incorporada ao conteúdo programático do partido em março do ano passado, durante o XIV Congresso Nacional.

As inscrições são limitadas a 150 vagas e estão abertas no hotsite oficial do seminário, em www.fjmangabeira.org.br/economiacriativa. Pela internet, qualquer interessado poderá assistir a transmissão ao vivo das atividades no www.fjmangabeira.org.br.

O evento tem como público preferencial dirigentes do diretório nacional e dos segmentos sociais, governadores, senadores, deputados federais e estaduais, além de coordenadores regionais da FJM.

O presidente nacional Carlos Siqueira afirma que o PSB é o primeiro partido a adotar o conceito da economia criativa como questão programática, num esforço de acompanhar as mudanças da sociedade.

“Acredito que momentos de crise, como o atual, devem ser entendidos como uma oportunidade para que políticos e partidos inovem, com a sociedade, em seus conceitos e suas práticas. É o que estamos buscando fazer ao incorporar esse conceito a um programa partidário”, explica.

Segundo ele, o PSB entende que a esquerda brasileira precisa, com urgência, “renovar-se política, intelectual e programaticamente”. “E não poderá fazer isso se não tomar consciência das profundas alterações nos processos produtivos modernos e do surgimento de uma verdadeira sociedade em rede”, avalia.

Na opinião do presidente da FJM, Ricardo Coutinho, o seminário servirá para reflexão sobre as transformações no atual sistema de produção capitalista, em que conhecimento e informação são as principais commodities.

“Nesse contexto, aplicativos tomam o lugar que antes eram de empresas físicas, e seres humanos são substituídos por sistemas operacionais”, afirma Coutinho.

“Precisamos repensar nosso modo de produção e definir quais os melhores caminhos para o Brasil. A economia criativa é uma consequência e uma alternativa a essas mudanças”, declara o presidente da FJM.

Para o secretário especial da Executiva Nacional do PSB e presidente do Instituto Pensar, Domingos Leonelli, o evento será um marco no processo de consolidação da economia criativa como estratégia de desenvolvimento no país.

“Teremos a oportunidade de conhecer experiências internacionais muito valorosas de países onde a economia criativa vem tendo um papel importante para a revitalização da economia e mesmo das cidades”, afirma Leonelli.

A palestra de abertura será no dia 21, às 18h, sobre o tema Inovação e Educação, as bases de uma revolução criativa, com Viviane Mosé, mestre e doutora em filosofia pelo Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Já no segundo dia, 22, haverá quatro painéis sobre o seguintes temas: “Sociedade, Indústria e Projeto de Desenvolvimento”, “Reforma Urbana Criativa”,“Economia Criativa e Inclusão Social, contra a violência” e “Políticas Públicas e Modelos de Governanças”.

Economia Criativa – Das artes à moda, ao design, passando pela arquitetura e pelo artesanato, gastronomia, festas populares, aplicativos de celulares, até os games e o turismo, a economia criativa está entre os setores que mais geram emprego no mundo. Mas, no Brasil, apesar do potencial, recebem pouco ou quase nenhum incentivo.

Os setores criativos econômicos representam cerca de 2,6% do Produto Interno Brasileiro (PIB), cresceram 70% nos últimos dez anos, mas ainda necessitam de políticas públicas de Estado e de investimento para alcançarem pleno desenvolvimento no país.

Confira a programação:

21, quinta-feira
18h – Palestra de abertura
Inovação e Educação, as bases de uma revolução criativa
Palestrante: Viviane Mosé, mestre e doutora em filosofia pelo Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).


22, sexta-feira
9h – Sociedade, Indústria e Projeto de Desenvolvimento
Painelistas
– Lídia Goldenstein, doutora e mestre em Economia pela Universidade de Campinas (Unicamp);
– Francisco Saboya, mestre em Engenharia de Produção pela Universidade de Pernambuco e superintendente do Sebrae no Estado.

11h – Reforma Urbana Criativa
Painelistas
– Ana Carla Fonseca, administradora, economista e autora do livro Cidades Criativas;
– Carlos Martins, licenciado em Economia pela Faculdade de Economia da Universidade do Porto (Portugal) e doutorando em Geografia pela Universidade do Porto;
– Carlos Leite, urbanista e autor do livro Cidades sustentáveis, Cidades inteligentes.

14h – Economia Criativa e Inclusão Social, contra a violência
Painelistas
– Charles Siqueira, gestor ambiental e coordenador executivo do Instituto Cultural Pólen;
– Francesco Farrugia, presidente do Instituto Campus Party
– Paula Trujillo, geóloga, professora universitária e dirigente da Bodega/Confama (Hub de indústrias criativas da Colômbia

16h – Políticas Públicas e Modelos de Governanças
Painelistas
– Claudia Leitão, professora e pesquisadora da Universidade Estadual do Ceará e consultora em Economia Criativa;
– Domingos Leonelli, secretário especial da Executiva Nacional do PSB e presidente do Instituto Pensar.

Serviço

O QUÊ: Seminário Internacional Economia Criativa como Estratégia de Desenvolvimento

QUANDO: 21/03, das 18 às 20h, e 22/03, das 09 às 17h30

ONDE: Hotel Nacional (SHS Quadra 1 – Bloco A – Asa Sul), em Brasília-DF (Assessoria de Comunicação/PSB Nacional)