Mostra fotográfica ‘Pelos Olhos da Águia’, em exibição no Espaço Cultural de Palmas

  • 04/Mar/2019 12h05
    Atualizado em: 04/Mar/2019 às 12h11).
Mostra fotográfica ‘Pelos Olhos da Águia’, em exibição no Espaço Cultural de Palmas Foto: Júnior Susuki

Está em exposição no Espaço Cultural José Gomes Sobrinho, em Palmas, os registros fotográficos da piloto de parapente, Márcia Finelli, denominada ‘Pelos Olhos da Águia’, e pode ser conferida pelo público amante da fotografia, até o dia 29 de março.

Em, ‘Pelos Olhos da Águia’ o público poderá observar imagens que registram, segundo Márcia, a visão de um piloto de parapente, desde as belezas naturais a questões que envolvem a relação homem-natureza, como aguardar e entender qual é o vento perfeito e a condição ideal para desconectar os pés da terra. “O voo livre é minha paixão e a gente precisa mostrar como é voar. Eu aprendi a voar no Tocantins e hoje eu quero mostrar um pouquinho para vocês o que é voar. Conheçam o voo livre neste meu olhar de piloto”, convida Márcia Finelli.

Na abertura da exposição, o presidente da Fundação Cultural de Palmas, Giovanni Assis, falou da importância da fotografia no registro do nosso tempo. “A foto vai muito além do registro instantâneo do presente, a arte da fotografia está no olhar, de uma maneira diferente para algumas coisas, como a Márcia, que se fez Águia para nos mostrar um pouco do que é voar. Sejamos mais Águia”, disse.

As fotos foram feitas entre os anos de 2016 a 2018, todas no estado do Tocantins, sendo elas, na Praia Graciosa, na rampa na Serra de Lajeado, no Espaço Cultural José Gomes Sobrinho, no distrito de Luzimangues em Porto Nacional, e em Axixá, onde também existe outra rampa no Estado. “Sempre representei o Estado por todo Brasil e a vontade é de mostrar essa maravilha para o mundo”, disse Márcia.

Sobre Márcia Finelli

Há 16 anos, Márcia Finelli se dedica a prática do parapente, profissionalmente, com participação em competições nacionais e internacionais. Em 2011, Finelli foi a primeira mulher brasileira a fazer uma das mais temidas manobras do voo acrobático de Parapente, o Tumbling (um looping onde o atleta passa por cima da vela).

Mineira de Belo Horizonte, conheceu o esporte em Palmas e desde então dedicou-se totalmente em sua evolução e realizações pessoais, viajando pelo Brasil, conhecendo novas rampas e aperfeiçoando sua técnica, e também participou de treinos e vôos na Nova Zelândia e Chile.