Amedrontados por assalto até à luz do dia, moradores da região sul de Palmas pedem mais segurança

  • 11/Jan/2019 11h56
    Atualizado em: 11/Jan/2019 às 14h35).
Amedrontados por assalto até à luz do dia, moradores da região sul de Palmas pedem mais segurança Foto:

Os moradores da Região Sul de Palmas, preocupados com a sensação de falta de segurança cobram uma solução do poder público. De acordo com relatos, diversos assaltos estão ocorrendo em plena luz do dia, e andar pelas ruas requer cuidado redobrado. A Polícia Militar foi demandada pelo O Jornal para esclarecer como está sendo feito o policiamento na região.

A moradora Silvia Xavier, do Jardim Aureny III, diz que a população está acuada por causa das ações dos bandidos, que são muitas vezes violentas. Ela foi vítima de um assalto na semana passada, quando estava saindo de casa com suas três filhas. Silvia conta que a sensação é de medo e pede mais segurança.

A vítima conta que na loja em que sua irmã trabalha, o assalto aconteceu na última terça-feira, 8, onde a ação violenta dos criminosos deixou clientes e funcionários assustados. Ela sugere que a PM intensifique as rondas na região.

A estudante Maria Carolina Sobrinho diz que também já foi assaltada quando andava nas ruas do bairro. Segundo ela, no momento em que estava a caminho da faculdade, um motociclista armado a abordou e levou seu celular e outros pertences.

Registro de furtos e roubos pela Polícia Militar

Em nota enviada ao O Jornal, a Polícia Militar informou que registrou queda nos índices de roubos a estabelecimentos comerciais no Tocantins, entre 2017 e 2018. Em palmas a PM registra menos de 01 roubo a estabelecimento comercial por dia.

A solução, de acordo com a PM, tem sido “intensificação de patrulhamento em áreas comerciais e ações de polícia comunitária, com Visita Cidadã Solidária”.

Nesta semana, desde a última segunda-feira, 07, até quarta-feira, 09, a PM registrou seis roubos a transeuntes e dois a estabelecimentos comerciais na região Sul de Palmas. A PM considera um número baixo, já que resulta em uma média de dois episódios por dia.

Apesar dos dados numéricos apontarem uma redução, comparado ao mesmo perídio do ano passado, muitas vítimas desse tipo de ação acabam não registrando boletim de ocorrência e não entram para as estatísticas. Foi o caso da estudante Carolina que teve seu celular roubado no Jardim Aureny III.

A Polícia Militar explicou ainda como são realizadas as visitas cidadãs. Entenda:

Visita cidadã: consiste no ato do policial deslocar-se às residências, às escolas, às igrejas, aos estabelecimentos comerciais ou a outro local de interesse da Segurança Pública, a fim de colher informações, captar necessidades e repassar as orientações necessárias ao incremento da segurança, além de se integrar de maneira proativa na vida social da comunidade, instigando a sociedade na busca de seus anseios.

Nas visitas, os policiais buscam também identificar possíveis situações, nas quais o visitado possa ser classificado como vítima fácil, vítima em potencial.

Espera-se, que com as visitas cidadãs, se já estabelecida uma relação de parceria entre a Polícia e a comunidade, tornando o cidadão um agente ativo na promoção da segurança. Espera-se ainda que ocorra o fenômeno da empatia entre os policiais militares e a comunidade com a qual atuam, bem como sejam obtidos dados precisos para a melhoria do serviço policial.

Desta maneira, pretende-se integrar cada vez mais o policial junto à comunidade, contribuindo para o aumento do nível de sensação de segurança daquela região.