Representante dos médicos pediatras critica atos do Governo do Estado; Gestão responde

  • 07/Jan/2019 17h31
    Atualizado em: 07/Jan/2019 às 17h43).
Representante dos médicos pediatras critica atos do Governo do Estado; Gestão responde Foto:

Após a Sociedade Tocantinense de Pediatria (STOP) enviar uma nota à imprensa nesta segunda-feira, 07, criticando ato do governo do Estado que revogou a exoneração de apenas 386 dos 629 médicos exonerados, a gestão de Mauro Carlesse informou que está organizando escalas de trabalho.


Sem responder inteiramente os questionamentos do O Jornal, a Secretaria de Estado da Saúde se limitou a dizer que, “após a recontratação dos profissionais de saúde na sexta-feira, 04, está organizando as escalas de trabalho com os profissionais que retornaram”. No entanto, não esclareceu como as exonerações afetaram os atendimentos e funcionamento nos hospitais após a manifestação do STOP.


A entidade diz que as medidas da atual gestão foram mal planejadas. “O Governo não se preocupou em observar onde esses médicos atuavam, suas habilidades especificas, sua função em cada equipe. Hoje nos defrontamos com hospitais de referência como Hospital Infantil Público de Palmas (HIPP), Hospital e Maternidade Dona Regina (HMDR), Hospital Geral de Palmas (HGP) e Hospitais Regionais, com serviços desfalcados, equipes desfeitas. Setores do HIPP e HGP com pacientes graves e sob cuidados intensivos encontram-se completamente sem médicos na escala, sobrecarregando colegas que estão se desdobrando na assistência”, afirma a nota.


Veja nota na íntegra:


NOTA

A Sociedade Tocantinense de Pediatria (STOP) vem a público externar sua indignaçãoaos últimos atos mal planejados cometidos pelo Governo do Estado do Tocantins. Já no primeiro dia do ano fomos surpreendidos com a exoneração e extinção dos contratos temporários de cem por cento dos médicos contratados do Estado, sendo esse número de 629 colegas que prestavam serviço sem garantias, pois há dez anos não temos concurso público. Diante da perplexidade de diretores, coordenadores, Sindicato dos Médicos (SIMED) e Conselho Regional de Medicina (CRM), uma nova lista foi publicada revogando aleatoriamente a exoneração de apenas 386 médicos.
O Governo não se preocupou em observar onde esses médicos atuavam, suas habilidades especificas, sua função em cada equipe. Hoje nos defrontamos com hospitais de referência como Hospital Infantil Público de Palmas (HIPP), Hospital e Maternidade Dona Regina (HMDR), Hospital Geral de Palmas (HGP) e Hospitais Regionais, com serviços desfalcados, equipes desfeitas. Setores do HIPP e HGP com pacientes graves e sob cuidados intensivos encontram-se completamente sem médicos na escala, sobrecarregando colegas que estão se desdobrando na assistência.

Como sempre a população paga a conta, sofre, é ludibriada e usada. Porém dessa vez atingiram não só o profissional, mas o cidadão Médico, comprometendo sua dignidade e autoestima, desestimulando o trabalho daquele que se doa em prol da comunidade.
Muitos colegas foram deixados de lado sem nenhuma justificativa. A Pediatria do Estado, conquistada a duras penas, formando especialistas através da Residência Médica e incentivando-os a ficar no serviço público foi fortemente golpeada.
Neste momento a STOP se solidariza com cada Pediatra que foi exonerado e juntamente ao SIMED e CRM exige rápida resposta do Governo no restabelecimento dos serviços e equipes da assistência médica aos pequeninos, foco do nosso empenho e motivo maior das nossas lutas. Estamos Juntos!