Explosão turística do Jalapão após novela global já preocupa, revela pesquisa

  • 20/Dez/2018 10h34
    Atualizado em: 20/Dez/2018 às 10h40).
Explosão turística do Jalapão após novela global já preocupa, revela pesquisa Foto: Divulgação

A novela “O Outro Lado do Paraíso”, da Rede Globo, de autoria de Walcyr Carrasco, exibida entre outubro de 2017 a maio de 2018, com a maioria dos capítulos filmados no Território do Jalapão e cenas com um elenco de estrelas cintilantes da grandeza de Glória Pires, Marieta Severo, Fernanda Montenegro, Lima Duarte, entre outros, vem produzindo um fluxo gigantesco de turistas que buscam conhecer o paraíso de belezas naturais indescritíveis, o antes desconhecido Jalapão. Todavia, com um acesso precário de quase 200 km, para quem parte de Palmas, somada a situação de penúria das cidades ‘jalaponesas’ e sem o mínimo de infraestrutura nos pontos turísticos para receber tamanha leva de visitantes, vem deixando as autoridades públicas e a população dessas localidades apreensivas.

Para constatar o problema, uma pesquisa realizada pelo Ipepe, entre os dias 02 a 07 de dezembro, nos 21 hotéis de Palmas, apurou que, após a exibição da novela “O Outro lado do Paraíso”, da Rede Globo, a taxa de ocupação hoteleira teve aumento entre 31% a 50%, segundo 55% dos donos de hotéis entrevistados. No entanto, para 10% dos empresários o aumento está entre 51% a 70%. Segundo 85% dos entrevistados da rede de hotelaria, o destino mais procurado por turistas é o Jalapão, ficando Palmas e Taquaraçu com 15% das localidades preferidas. Sobre a taxa média de ocupação nos hotéis em 2018, a pesquisa apurou que a soma de alta ocupação e muito alta alcançou 50%, enquanto regular 35% e baixa apenas 15%.

65% dos turistas reclamam das estradas precárias

O estudo quis saber dos donos de hotéis o que mais os turistas reclamam nas excursões ao Jalapão. Para 85%, o problema são as estradas; 10% hospedagens nas localidades; 10% segurança; 5% preços caros dos pacotes e 10% que não opinaram. Sobre a região do país que mais chega turista, a pesquisa revelou que 65% são provenientes da região Sudeste do Brasil, apenas 5% das regiões Centro-Oeste e Sul e 25% não responderam. Já o estado brasileiro que mais demanda turista ao Estado é São Paulo, de acordo com 50% dos entrevistados. Em seguida, Rio de Janeiro com 20%. Por fim, foi avaliada a opinião dos empresários do segmento hoteleiro sobre o apoio dos governos tocantinenses em relação ao turismo. Para 80% dos empresários, não houve incentivo ao turismo por parte dos governos ao longo das décadas. Porém, para 10% houve incentivo mais ou menos e para 5% dos respondentes houve, sim, apoio dos governos.

Prefeitos preocupados com a superlotação de turistas

O prefeito João Martins, de Mateiros, município onde se concentra a maior parte dos pontos turísticos do Jalapão, revelou, através de dados, que só neste ano de 2018 cerca de 60 mil turistas visitaram Mateiros. Os dados representam uma média de 164 pessoas por dia. “Muito complicado gerir um município com escassa infraestrutura urbanística, com apenas um médico e demanda em alta, não possuímos um aparelho de Raio-X, acomodações e pousadas que ainda deixam a desejar, e turistas chegando de todas as partes, sem falar nas péssimas condições das estradas, que acabam desestimulando os turistas a retornarem”, desabafou o prefeito. Por sua vez, o prefeito Márlen Ribeiro, de São Félix, uma das cidades mais frequentadas por turistas, abordou o problema das péssimas condições da estrada que liga Novo Acordo, São Félix e Mateiros. “Vivemos um drama que parece não ter fim. No verão somos flagelados pelos bancos de areias e, no inverno, pela lama”, reclama. O prefeito salientou que apesar dos esforços que tem realizado, a cidade precisa urgente de aparelhar o sistema de saúde, segurança, a fim de atender com mais presteza o número crescente de visitantes.

Sindicato diz que governos abandonaram o setor

A empresária e presidente do Sindicato de Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares (SINDHORBS) e também vice-presidente da Fecomércio da região Sul do Estado, Maria Lúcia Pompeu, criticou a falta de políticas estruturantes e competentes para o turismo no Tocantins. Segundo ela, “a classe empresarial sempre foi ouvida pelos governantes, porém o setor de turismo, apesar de ter uma grande importância para a economia local, ainda é deixado de lado, principalmente quando se fala em infraestrutura”. Maria Lúcia informou que este ano foi entregue ao governador eleito Mauro Carlesse um documento que contém diversas necessidades deste setor, tanto na área de infraestrutura como de gestão.

O governo, através da Secretaria do Turismo, informou que a gestão Mauro Carlesse estuda adotar para o setor as parcerias público-privadas (PPPs), com foco no turismo planejado e de sustentabilidade, sem os impactos degradantes que já ocorrem há anos no Parque do Jalapão. Segundo o subsecretário que vem respondendo pela pasta, Wilson Charles Seixas, o primeiro passo que já está sendo feito é identificar as áreas de interesse turístico. “O Jalapão já atrai interesse da iniciativa privada, sendo a nossa principal vitrine ao mundo. Contudo, não podemos deixar que essa exploração seja feita sem planejamento e sem preocupação com o todo o meio ambiente”, ressaltou. Já a Secretaria Estadual da Infraestrutura, por meio de seus técnicos, declarou que há um projeto, de governos anteriores, de asfaltamento da estrada que parte de Lagoa do Tocantins, São Félix e Mateiros, porém sem previsão de iniciá-la, por falta de aportes financeiros.

Pois bem, o Jalapão já está nas prateleiras do mundo, fato incontestável e com consumidores ávidos ao consumo. O novo governo precisa materializar esse potencial em negócio e com rapidez, com técnicos competentes, trabalhando ininterruptamente, talvez sendo necessária a contratação de consultorias de fora, visto que as jazidas de riquezas turísticas do Tocantins são imensuráveis. No entanto, sem estradas viáveis e seguras o turismo ali vai a pique. E mais: temos a maior ilha fluvial do mundo - a Ilha do Bananal, em nosso território, sem ainda uma política exequível de transformá-la num grande destino internacional. Portanto, é indubitável que o nosso potencial turístico constitui-se numa grande porta econômica de gerar emprego e renda ao Estado, mas com gestão competente e transparente.

*Por Thiago Marcos Barbosa de Carvalho - Advogado, pós-graduando em direito público aplicado pela EBRADI (Escola Brasileira de Direito), inscrito regularmente na seccional do Tocantins sob o nº 8321. E-mail: thiagombarbosa.advogado@gmail.com e barbosaferreiraadv@gmail.com