"Diagnóstico precoce possibilita tratamento menos agressivo", alerta rádio-oncologista

  • 26/Nov/2018 16h13
    Atualizado em: 26/Nov/2018 às 16h24).
Foto: Divulgação

Nesta terça-feira, 27, é o Dia Nacional de Combate ao Câncer. Segundo o médico rádio-oncologista, Ismar Rezende, a data é importante para lembrar a necessidade de se fazer exames de rotina para a detecção precoce da doença. “Se descoberto no início o tratamento, geralmente, é menos agressivo e com maior possibilidade de cura”, afirmou.

Rezende lembra que existem cerca de 23 tipos de cânceres, sendo que este mês, conhecido como Novembro Azul, reforça a relevância dos homens procurarem o médico para fazerem exames. “Em relação aos cânceres masculinos o câncer de próstata é o que possui mais evidência, pois tem uma alta incidência com estimativa este ano, segundo o Instituto Nacional de Câncer, de mais de 68 mil casos no Brasil”, disse.

O câncer de próstata possui baixa letalidade e agressividade, mas segundo o médico isso não exclui a necessidade de um diagnóstico precoce para que seja indicado o melhor tratamento ao paciente. “A orientação é que a partir dos 50 anos os homens procurem o médico para fazer os exames de rotina como PSA e o toque. Caso haja incidência da doença na família é necessário procurar um médico a partir de 45 anos”, ressaltou Rezende.

Sintomas

De acordo com o rádio-oncologista na maioria das vezes a doença não apresenta sintomas, mas podem aparecer dor e dificuldade ao urinar ou dor óssea em casos mais avançados.

O tratamento de câncer de próstata pode ser realizado por cirurgia ou radioterapia. Conforme Rezende, na radioterapia o procedimento é um pouco mais prolongado que o período de uma cirurgia, entretanto, os efeitos colaterais são menores, com menor possibilidade de incontinência e impotência, sem ter o risco cirúrgico já que a radioterapia é um tratamento ambulatorial.