Combate à sífilis é intensificado em Tocantínia e prefeitura realiza campanha conjunta

  • 15/Out/2018 14h34
    Atualizado em: 15/Out/2018 às 14h40).
Combate à sífilis é intensificado em Tocantínia e prefeitura realiza campanha conjunta Foto:

A Prefeitura Municipal de Tocantínia, numa ação conjunta em que envolveu as secretarias de Saúde, Educação e Meio Ambiente e Turismo, está intensificado os atendimentos no combate e prevenção à sífilis.



Na semana passada, aconteceu o lançamento da campanha de contra a sífilis na Unidade de Saúde Dr. Qincas, com os atendimentos iniciais e palestras educativas. Na oportunidade, a médica Maria Luísa Cardoso de Moura, explicou ao público presente, que a sífilis é uma doença bacteriana que ataca os órgãos genitais, mas também pode causar lesões orais. Também ressaltou que existem duas maneiras para a contaminação da doença, e que a melhor maneira de prevenir é o uso de preservativo masculino ou feminino no ato da relação sexual.



 Maria Luísa Cardoso de Moura, explicou ao público presente, que a sífilis é uma doença bacteriana que ataca os órgãos genitais, mas também pode causar lesões orais. Também ressaltou que existem duas maneiras para a contaminação da doença, e que a melhor maneira de prevenir é o uso de preservativo masculino ou feminino no ato da relação sexual.



Para evitar a sífilis congênita, a Secretaria Municipal de saúde de Tocantínia investe na ampliação da oferta do teste rápido para a doença, preferencialmente, na primeira consulta do pré-natal, com acompanhamento em toda a gestação. "A doença pode causar sérias complicações na gravidez, como aborto ou parto prematuro. E ainda a criança pode nascer com sequelas como problemas na dentição e cegueira", ressalta a secretária de Saúde, Maria Zenite Cardoso.



Ainda, de acordo coma secretária, o prefeito Manoel Silvino, à medida do possível, não tem medido esforços para propiciar à população de Tocantínia um atendimento de saúde com mais qualidade. Ela esclarece que, assim como em outros pequenos municípios do país, onde os recursos para atender as demandas na área da saúde têm sido insuficientes, em Tocantínia, não é diferente, porém, pontuou que esse problema está sendo administrado com criatividade e determinação pela aguerrida equipe da saúde municipal.



Infecção

A sífilis é uma Infecção Sexualmente Transmissível (IST) curável, causada pela bactéria Treponema pallidum. Pode apresentar várias manifestações clínicas e diferentes estágios (sífilis primária, secundária, latente e terciária). Nos estágios primário e secundário da infecção, a possibilidade de transmissão é maior.



Os sintomas da sífilis primária são: ferida, geralmente única, no local de entrada da bactéria (pênis, vulva, vagina, colo uterino, ânus, boca ou outros locais da pele), que aparece entre 10 a 90 dias após o contágio. Normalmente não dói, não coça, não arde e não tem pus, podendo estar acompanhada de ínguas (caroços) na virilha.

Na sífilis secundária, os sinais e sintomas aparecem entre seis semanas e seis meses do aparecimento e cicatrização da ferida inicial. Podem ocorrer manchas no corpo, que geralmente não coçam, incluindo palmas das mãos e plantas dos pés. Essas lesões são ricas em bactérias. Pode ocorrer febre, mal-estar, dor de cabeça, ínguas pelo corpo.



Na sífilis latente (fase assintomática) não aparecem sinais ou sintomas. É dividida em sífilis latente recente (menos de dois anos de infecção) e sífilis latente tardia (mais de dois anos de infecção). A duração é variável, podendo ser interrompida pelo surgimento de sinais e sintomas da forma secundária ou terciária.



A fase terciária pode surgir de dois a 40 anos depois do início da infecção. Costuma apresentar sinais e sintomas, principalmente lesões cutâneas, ósseas,