Laudecy requer reparos e melhorias em bens e serviços públicos junto a órgãos municipais

  • 03/Out/2018 10h14
    Atualizado em: 03/Out/2018 às 10h19).
Laudecy requer reparos e melhorias em bens e serviços públicos junto a órgãos municipais Foto: Divulgação

A vereadora Laudecy Coimbra apresentou nesta quarta-feira, 3 de outubro, três requerimentos junto aos órgãos municipais, solicitando reparos e melhorias em bens e serviços públicos em benefício da população palmense.

À Fundação Municipal de Meio Ambiente, a vereadora solicitou a reforma da sala e construção de banheiros de apoio ao viveiro instalado ao lado do Parque do Idoso. Conforme Laudecy, “essa é uma reivindicação das pessoas que lá frequentam e trabalham, já que a sala de apoio ao viveiro está em precária situação, e não tem banheiro para as pessoas que lá frequentam e nem mesmo para os funcionários que alí trabalham, tendo os mesmos que apelarem a vizinhos para fazerem suas necessidades”.

Junto à Secretaria de Infraestrutura e Serviços Públicos, Laudecy requer a construção da Praça da Quadra ARNE 53, bem como a instalação de Academia ao ar livre no local, alegando que a obra servirá para melhoria de vida da população daquela quadra, uma vez que o local destinado à praça está abandonado, sem o cuidado nescessário e sem qualquer segurança.

“Esta obra servirá para dar mais segurança a população, diminuindo os riscos de doenças causadas por mosquitos transmissores, servirá também de ponto de encontros das famílias e local para a população da quadra fazer seus exercícios fiscos, caminhadas, dando assim uma melhora na qualidade de vida da população, evitando diversas doenças cardiovasculares e outras, afirma a vereadora.

Ainda junto à Secretaria de Infraestrutura, Laudecy solicitou a conclusão da reforma da Feira e da Praça da Quadra 307 Norte, justificando que obra servirá para melhoria de vida da população daquela quadra e região, uma vez que as obras foram iniciadas e não foram concluídas, e isso tem prejudicado bastante a população e os feirantes que ali comercializam seus produtos.

“Sabemos que uma obra iniciada e não concluída traz transtornos a todos, a população deixa de usufruir do que foi programado a ser realizado, e o poder público paga mais caro, termina gastando mais do que o programado, pois todos sabemos que obra inacabada só tende a ficar mais cara a sua conclusão”, afirma Laudecy.