Fecomércio e Sebrae debatem propostas para área do comércio e turismo com candidatos ao governo  

  • 18/Set/2018 16h30
    Atualizado em: 18/Set/2018 às 16h35).
Fecomércio e Sebrae debatem propostas para área do comércio e turismo com candidatos ao governo    Foto: Divulgação

O presidente do sistema Fecomércio, Itelvino Pisoni e o superintendente do Sebrae-TO, Omar Hennemann, receberam nesta segunda-feira, 17, os candidatos a governador, com o objetivo de debater as demandas do comércio e do turismo no estado, a partir do documento por eles elaborado. Participaram do evento os candidatos Bernadete Aparecida (PSOL), Carlos Amastha (PSB), César Simoni (PSL) e Mauro Carlesse (PHS). O candidato Marlon Reis (REDE) não compareceu devido ao cancelamento de sua agenda no dia por motivos de força maior. 
 
De acordo com o presidente do Sistema Fecomércio Tocantins, Itelvino Pisoni, é necessário ouvir as propostas também dos candidatos para que haja uma retomada da economia. “Nós optamos por ouvir os candidatos pois acreditamos que só iremos conseguir vencer esta crise tanto política quanto econômica se unirmos força, ou seja, o comércio é um dos principais setores produtivos do estado, é preciso ouvi-lo”, ressaltou.
 
Já o superintendente do Sebrae, Omar Hennemann, explicou que o empreendedorismo deve ser o principal impulsor desta mudança. “Nós buscamos fomentar a cultura empreendedora neste estado há muitos anos e acreditamos que este será um diferencial competitivo do Tocantins que possui tantas riquezas”, disse.
 
Dentre as demandas apresentadas estão o fortalecimento de órgão responsável pelo Turismo no estado, promoção do turismo interno, criação de políticas públicas de incentivos fiscais para crescimentos das empresas do comércio e turismo, estímulos para realização de eventos, investimentos em infraestrutura voltada ao turismo, retorno do desconto de 100% no diferencial de alíquota do ICMS para empresas do Simples, participação na elaboração da LOA, corte nos gastos públicos, promoção de campanhas voltadas ao fomento do comércio, maior facilidade de acesso ao crédito, a inclusão da educação empreendedora na matriz curricular estadual, entre outras. (Com informações da Ascom/Fecomércio)