Regionalismo predomina no 12º Festival Gastronômico de Taquaruçu

  • 08/Set/2018 08h43
    Atualizado em: 08/Set/2018 às 08h48).
Regionalismo predomina no 12º Festival Gastronômico de Taquaruçu Foto:

Parte da identidade tocantinense está sendo mostrada através de mais de 69 pratos do 12º Festival Gastronômico de Taquaruçu (FGT). Através da carne de sol, predominante em grande parte dos pratos; do buriti, que vai da culinária ao artesanato; e do pequi, guardado em conservas para ser usado o ano todo, a gente percebe um povo que valoriza os frutos do cerrado e a produção local, e que por meio da comida também constrói sua identidade.


O FGT se tornou uma grande oportunidade para o público provar o que se consome nas cozinhas do interior e também para verificar a criatividade e a reinvenção do que já estamos acostumados no dia a dia. Os ingredientes regionais são as estrelas de pratos como a casquinha de surubim, a lasanha de banana da terra, moranga taquara, barquinho de carne de sol, tapiqueixo, acaraserra, entre outros. Como é o caso do Sonho Doce de Tapioca, elaborado pela Elaíze Martins, que juntou o cupuaçu com chocolate, o babaçu e a tapioca, nosso famoso beiju.


“Essa é a primeira vez que participo do Festival, e queria inovar, então criei o chocolate a partir do babaçu, que combina muito com o cupuaçu”, explicou Elaíze Martins ao dizer que está com a expectativa alta para o Festival. “A gente espera muito, porque é muito organizado, e ainda temos os shows”, concluiu.


A valorização dos frutos da terra foi ressaltada pelos jurados convidados, Franci Santiago, e Ramis Tetu. “É primeira vez que sou jurada, e achei muito interessante a valorização da cultura tocantinense, um dos pratos que experimentei por exemplo, traz a comida típica da cultura quilombola. Esse resgate da cultura tocantinense é muito bacana, a gente percebe também que eles estão muito bem treinados para nos atender bem”, contou Franci Santiago.


Evolução


A evolução do FGT também foi destacada pelo público e pelo júri. A jornalista Jaciara Barros, que participa como jurada há várias edições destacou a crescente melhoria na organização, no atendimento e na apresentação dos pratos. “Participo todo ano e a gente vê que eles têm se esforçado mais e mais, o atendimento está muito mais rápido, os pratos mais bonitos. Há um cuidado, eu por exemplo tenho intolerância a lactose, e a expositora adaptou o prato para que eu comesse. Fui muito bem atendida, uma apresentação bonita, teve uma evolução”, reafirmou.



Cozinha Show


O regionalismo também esteve presente no Cozinha Show, aberto neste segundo dia pelas vencedoras do concurso dos Centro de Referência em Assistência Social (Cras) e do Parque da Pessoa Idosa Francisco Xavier de Oliveira e que teve como grande estrela da noite a professora de gastronomia Andreia Shima, que preparou um ceviche de cajuí e o prato do Rio a Terra, que uniu a carne de sol ao pirarucu, com a utilização de ingredientes como maxixe, quiabo e jambú.


Durante a preparação do prato, Andreia ressaltou a importância da utilização dos ingredientes locais, como a farinha de puba e a manteiga de garrafa, bem como a importância da apresentação do prato, da textura e do cheiro para a conquista do paladar. “Vocês possuem muitos ingredientes aqui, e uma riqueza que precisa ser aproveitada. E a gente precisa lembrar também que conquistamos o cliente primeiro pelo cheiro, e depois pela apresentação do prato”, disse. Para Andreia, “Cozinhar é um ato social, cultural e político”.



Programação


Atrações Musicais

08/09 - Titãs
09/09 – Rosa de Sarom e Show infantil com Batatinha e Personagens

Cozinha Show

07/09 - Adriana Zago, Eduardo Zonta e APAE
08/09 - Rosa Nunes e Roberta Ribeiro e Juventude (Fund. Juventude)
09/09 - Ruth Almeida (com participação dos chefs Osmane e Thiago Siintani)


(Informações da Secom Palmas)