Eduardo Gomes, a responsabilidade de suceder o mito Siqueira Campos

  • 01/Set/2018 15h45
    Atualizado em: 01/Set/2018 às 15h48).
Eduardo Gomes, a responsabilidade de suceder o mito Siqueira Campos Foto: Divulgação

Ele já mostrou que tem lealdade, paciência e competência, agora terá que provar algo mais

*Ruy Bucar – especial para O JORNAL

O ex-governador Siqueira Campos (DEM) sabia que teria uma eleição consagradora para o Senado da República, com uma votação certamente histórica, jamais comparada com votação de qualquer outro candidato a algum cargo eletivo no Estado, antes. E isso, parece que o preocupava. Via nas manifestações de apoio - incluindo adversários tradicionais - enorme responsabilidade, com o qual achava que não teria como corresponder. Ao fim, preferiu recuar do projeto que o empolgava tanto, para, segundo ele, abrir espaço para a juventude.

A escolha para assumir a vaga aberta pelo velho líder recaiu sobre o jovem Eduardo Gomes (SD) que chega ao posto não por acaso, mas por mérito. Na eleição passada para o Senado praticamente derrotou a senadora Kátia Abreu (PDT), candidata a reeleição na época – diferença de pouco mais de cinco mil votos - e mostrou que pode até não ser um puxador de votos como o velho Siqueira, mas tem carisma e luz própria. O resultado o cacifou para novas disputas. Era natural que ganhasse nova oportunidade de disputar a senatória, que conquistou, não porque lutou, mas porque soube esperar.

Eduardo é um dos líderes políticos tocantinenses com maior influência em Brasília. Durante três mandatos consecutivos na Câmara Federal acumulou enorme prestígio junto aos pares. Tendo sido eleito 1º secretário com a maior votação já recebida por um deputado em eleição da mesa diretora daquela Casa. Tem boas relações políticas tanto à direita quando à esquerda, de Fernando Henrique Cardoso a Romário. Transita tão bem nos ministérios quanto nas câmaras de vereadores do interior, ouve mais do que fala e tem senso de urgência com a coisa pública.

Nesta disputa, Eduardo Gomes já revelou ter paciência e lealdade. Qualidades raras na política na atualidade, muito bem abordadas em artigo assinado pelo publicitário Carlos Oliveira que lembrava que Gomes tinha força moral e política para impor sua candidatura e arrancar a vaga, mas preferiu esperar, diferente de outros que atropelaram o processo imaginando trabalhar oportunidade. Siqueira, ao fazer a indicação fez questão de ressaltar a lealdade do jovem líder que o acompanha desde os 17 anos de idade.

Eduardo Gomes está diante do maior desafio da sua bem sucedida carreira política. Mais do que conquistar uma cadeira no Senado Eduardo com chances reais de ser o mais votado, pode conquistar a condição de sucessor do ex-governador Siqueira Campos (DEM), sonho de quase cem por cento dos líderes políticos do Tocantins. E isso é muita responsabilidade. Um fardo tão pesado quanto ao que o Siqueira achava que não tinha condições de corresponder. A circunstância, natural da política, criou esta perspectiva.

O que levam os líderes ao sucesso não são apenas oportunidades, mas o preparado para aproveitá-las. Gomes tem todas as condições de provar que está à altura da missão de continuar a obra do grande líder. Já mostrou que tem paciência, lealdade e competência. Mas terá que provar algo mais. Para suceder o mito, Eduardo terá que mostrar que tem sangue de estadista correndo nas veias, que ao menos de longe lembre o brigadeiro de quem herdou o nome e o senso de oportunidade do ex-governador de quem herdou a habilidade e o gosto pela política.