Palmenses estão comprando menos, mas sentem mais segurança nos empregos, diz pesquisa CNC

  • 27/Ago/2018 17h41
    Atualizado em: 27/Ago/2018 às 17h44).

Em agosto, 56,1% dos palmenses que participaram da pesquisa Intenção de Consumo das Famílias (ICF) avaliaram que este não é um bom momento para comprar produtos duráveis, como móveis e utilidades domésticas. O item sofreu uma queda de -4,5% na comparação com o resultado de julho, sendo o maior recuo avaliado nesta edição da pesquisa. A análise foi divulgada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), em parceria com a Fecomércio Tocantins.

A variação mensal negativa de outros três componentes da pesquisa pode ter influenciado no resultado: Compra a prazo (-2,1%), Nível de Consumo Atual (-4,4%) e Perspectiva de Consumo (-1,7%). “A dificuldade de acesso ao crédito e a percepção de estar comprando menos contribuem com a avaliação pessimista em relação ao momento para compra de bens duráveis”, explica a assessora econômica da Fecomércio, Fabiane Cappellesso.

Outro dado negativo foi o índice geral da pesquisa, que registrou um recuo na comparação mensal, de -0,4%, passando de 93,1 pontos em julho para 92,7 pontos em agosto. Já em relação ao ano passado, o índice geral cresceu 2,8%, reforçando a tentativa de recuperação da economia pós-crise.

Resultados positivos

Entre os itens que apresentaram variações mensais positivas, destacam-se os que avaliam a satisfação do consumidor em relação ao mercado de trabalho: o componente Emprego Atual, que trata da segurança do trabalhador em relação ao mesmo período do ano passado, cresceu 1,5%; o item Perspectiva Profissional, que traz a análise do consumidor sobre uma possível melhora profissional nos próximos seis meses, aumentou 1,2%; e a avaliação sobre a Renda Atual, e sua comparação com os dados do ano anterior, subiu 1,4%. (Ascom Instituto Fecomércio Tocantins)