Em tempos de crise, Banco do Empreendedor fomenta economia do estado

  • 09/Ago/2018 17h32
    Atualizado em: 09/Ago/2018 às 17h36).
Em tempos de crise, Banco do Empreendedor fomenta economia do estado Foto: Divulgação

Uma das medidas adotadas pelo Governo do Tocantins para aquecer a economia e fazer o dinheiro girar no mercado são as linhas de créditos oferecidas pelo Banco do Empreendedor, com juros abaixo dos praticados pelas grandes instituições financeiras e com um bom prazo de carência e parcelamento do financiamento.
Com o financiamento da primeira habilitação, além de fomentar o mercado dos Centros de Formação de Condutores (CFCs), o BEM oportuniza também que mais cidadãos tenham acesso à Carteira Nacional de Habilitação (CNH) e possam integrar, de forma mais rápida, o mercado de trabalho.

De acordo com o presidente do BEM, Messias de Araújo, além da primeira habilitação, o banco também financia a mudança de categoria, exclusivamente para fins de trabalho. “O valor financiado varia de R$ 1.000 a R$ 3.000, podendo ser pago em até 24 meses, incluindo carência máxima de seis meses. A taxa de juros é de 1% ao mês. Para essa modalidade, é necessário avalista com comprovação de renda, podendo ser um parente do solicitante, exceto o cônjuge”, explicou.

Ainda na área de trânsito, o BEM dispõe de uma linha de crédito voltada para os mototaxistas que precisam fazer consertos, reparos e outras despesas da motocicleta ou adquirir uma moto 0 km. Para as modalidades, são necessários avalistas com comprovação de renda, podendo ser um parente do solicitante, exceto o cônjuge.

“Para ter acesso a essa linha de crédito, é necessário que o mototaxista seja credenciado no sindicato ou associação. Na primeira linha, voltada mais para a manutenção do veículo, o valor do financiamento varia entre R$ 1.000 e R$ 8.000, com carência máxima de 12 meses, prazo para pagar de 42 meses e taxa de juros de 1% ao mês. Já para adquirir uma motocicleta 0 km, o valor financiado vai de R$ 1.000 a R$ 10.000, com o mesmo prazo e taxa de juros da modalidade anterior”, disse.

Microcrédito Urbano

O BEM também possui uma linha para capital de giro de microempresários. Com ela, é possível adquirir matéria-prima e insumos para o empreendimento com valores que variam de R$ 1.000 a R$ 10.000. O prazo para pagamento é de 12 meses, incluindo carência de três meses, com taxas de juros de 1% ao mês. 

Uma outra linha do banco é voltada para investimentos. Por meio dela, o microempresário pode fazer a aquisição de máquinas e equipamentos para o seu empreendimento. Os valores financiados ficam entre R$ 1.000 e R$ 10.000, com prazo de pagamento de até 24 meses, incluindo carência máxima de seis meses. 
“Essas linhas podem ser utilizadas, por exemplo, por costureiras, profissionais que trabalham em salão de beleza, borracharia, bicicletaria, entre outras atividades realizadas por famílias que possuem baixa renda”, garantiu o presidente do BEM.

Microcédito Rural 

O Microcrédito Rural é uma linha especial do BEM, que tem como público-alvo os microprodutores de baixa renda. O valor financiado varia de R$ 1.000 a R$ 10.000, com prazo de pagamento em até 42 meses, incluindo carência máxima de 12 meses. “É uma linha voltada para os segmentos da agricultura familiar, como por exemplo, trabalhadores que desenvolvem ações na área do hortifruti, piscicultura, granja, entre outros”, contou Messias de Araújo.
Para solicitar as linhas de créditos, é necessário que o interessado procure o Banco do Empreendedor em Palmas, na Quadra 401 Sul, Avenida Joaquim Teotônio Segurado - s/n, Lote 5, das 8 às 14 horas; ou nas unidades do É Pra Já de Araguaína e Gurupi.

Renegociação de até 70%

A fim de fortalecer a política de recuperação de créditos, o BEM está concedendo de 20 a 70% de desconto nas multas e nos juros das parcelas atrasadas de empréstimos contraídos com a instituição. Os descontos também valem para empréstimos contraídos com o banco quando o mesmo ainda possuía a nomenclatura de Prodivino.

Os critérios de renegociação de dívidas estão regulamentados por meio de instrução normativa. Os descontos são concedidos nos casos em que o mutuário escolhe quitar imediatamente o débito. Inadimplentes com mais de 90 dias de atraso já se enquadram nos critérios para renegociação.