Ioiô Benedito, um dos mártires do tronco, que transformou um desafeto em verdadeiro irmão

  • 05/Abr/2018 14h07
    Atualizado em: 05/Abr/2018 às 14h13).
Ioiô Benedito, um dos mártires do tronco, que  transformou um desafeto em verdadeiro irmão Foto:

As presepadas de meu pai, suas brincadeiras e seu humor espontâneo não come¬çaram nele: seu pai, ioiô Benedito - contam os mais velhos, pois meu avó morreu 25 anos antes de eu nascer - era o tipo bonachão, cheio de prosa e xingador. Conversava alto; an¬dava xingando os outros, não com o intuito de ofendê-los, mas por força de seu tempera¬mento aberto e espalhafatoso.

Dizem que seu jeito foi herdado, sem tirar nem pôr, pelo seu neto Vilar, filho de tia Amelinha. Às vezes, ia com a família todinha hospedar-se em casa de parentes ou amigos na vila (naquele tempo, era tudo vila; cidade, só no Sul), e era useiro e vezeiro em pregar peças e deixar os menos acostumados com seu jeito em situação difícil: sisudos anfitriões ficavam sem graça quando meu avô dava uma de suas tiradas:

- Cê precisa dar de comer esses meninos magros, Fulano! Deixe de ser miserável, homem!

Muitas vezes, convidava os mais influentes da Vila de São José do Duro para al¬moçarem com ele na fazenda Prazeres, onde morava. Mas nada avisava a minha avó, iaiá Amélia. No dia aprazado, logo cedinho, ele dizia:

- Amélia, faça aí um cirigadinho ligeiro, que vou fazer uma viagenzinha, mas volto de tarde! - e arreava sua mulona, escanchava e ganhava a estrada.

Lá para as dez horas, chegava a caravana e, para espanto de minha avó, descia o farrancho todo, apeava na maior intimidade, uns afrouxando a cilha dos arreios, outros trazendo já os pelegos e coxonilhos para dentro.

- Tão indo pra Sicupira, minha gente? - indagava minha avó.

O pessoal entreolhava-se sem entender a justificada ignorância de minha avó, e um dos mais íntimos se adiantava:

- Uai, Amélia, o Benedito nos chamou pra almoçar aqui hoje...

Ela punha as mãos na cabeça:

- Esse Dito não se corrige! Sempre fazendo das suas - e desdobrava-se com a cri¬a¬dagem no preparo do almoço, matando leitoa e frangos capões que sempre mantinha no ceveiro.

Na hora em que o pessoal estava todo em redor da mesa comendo, chegava ioiô Benedito, fazendo o maior espalhafato do mundo, rindo das expressões de desconcerto dos convidados.

Assim era meu avó. Mas não era só isso.

Fazendeiro, todo ano tocava boiada para vender na Bahia. E uma ocasião, na época da seca braba, ele chegou a uma fazenda nos sertões de Jacobina, com seu gado es¬tropiado e morto de sede. Procurou o dono da fazenda, que estava no terreiro queimando beijus de bosta de gado seca para espantar muruim. Falou em alugar um curral para o gado passar a noite, pois era capaz de a boiada arrancar-se, ficando solta e apenas pastoreada pelos peões. Mas o homem nem deu ligança, e ainda lhe disse uns desaforos: que não vi¬via de aluguei, que isto, que aquilo.

Ioiô Benedito não criou caso, pois, apesar de espalhafatoso, era de muita paz e sempre preferia uma boa avença. E mandou que a peonagem acendesse fogueiras ao redor da boiada para prevenir que alguma rês se desgarrasse. Passaram a noite em claro, en¬quanto meia dúzia de vaquinhas mirradas do homem ocupava um curralzão vazio. Por milagre de Deus, não sumiu nenhum boi.

Vai daí que, estando meu avô na fazenda Prazeres, tempos depois, avistou uma boiada que adentrava o vaquejador, ao som do berrante. Ao chegar a gadama ao pátio, um cavaleiro se destaca do grupo de peões e toma chegada.

- Boa tarde! - salvou o chegante.

- Tarde! Vamos desarreando, amigo! - meu avô respondeu, com a mão em pala sobre os olhos, para melhor divulgar o chegante contra o sol vespertino.

Ao grelar o olho em meu avô, o chegante quis refugar o arrancho, meio sem graça: era o tal que lhe negara curral lá em Jacobina. Mas ioiô Benedito, todo bonachão, fez de conta não ter reconhecido o homem e deixou-o a vontade. Mandou desocupar o curral, que batia chifres, de tanto gado, pois naquele dia juntara uma boiada para levar pra Bahia, como fazia todo ano.

- Mas, “Seo” Benedito, o senhor tá desocupando seu curral?...

- Curral é pra gado, homem! Se precisar de mais espaço, mando o resto de seu gado pro curral de compá Chicada, aqui pertinho! - e soltou seu gado na manga de pasto, esvazi¬ando a curralama pro chegante, àquela hora todo sem graça.

O homem foi tratado com fidalguia, jantar abundante para a peonagem toda, ar¬ranjou dormida, e de manhã só saiu após quebrar o jejum com requeijão, cuscuz e leite farto. Na hora de sair, quando meu avô recusou qualquer pagamento, o homem, todo de¬sacorçoado, deu a mão à palmatória e pediu-lhe desculpas pelo que fizera no sertão de Ja¬cobina. Meu avô, mordendo a ponta dos bigodes que lhe desciam até aqui assim, no canto da boca lá nele, respondeu calmamente:

- Não foi nada não. É que aqui no Goiás a gente quer curral é pra botar gado den¬tro, e não como na sua terra, que o senhor quer curral é pra botar sua mãe, seu filho duma égua!

Segundo meu pai, a homem aceitou o xingamento sem dizer palavra. E torna¬ram-se amigos íntimos, a ponto de um ir com a família para a casa do outro passar tempora¬das, quando a história do curral era motivo de sonoras gargalhadas.

E quando meu avô foi morto pela Polícia goiana no episódio que Bernardo Elis descreve magistralmente em “O Tronco”, aquele amigo, conquistado de modo tão inusi¬tado, botou luto fechado por muito tempo, como se fosse um irmão.

*Por Liberato Póvoa