Cidades

Prefeitura acaba com restrição a sepultamentos em Taquaruçu

29/05/2017 09h53 | Atualizado em: 29/05/2017 09h59

Internet
Após a celeuma para cumprir o último desejo do jornalista Iberê Barroso, falecido em Fevereiro deste ano, de ser sepultado no cemitério de Taquaruçu, onde viveu por muitos anos, e ao qual devotava muito amor, e que só foi possível pela intervenção de colegas jornalistas e da firmeza do deputado Wanderlei Barbosa, já que a Prefeitura de Palmas, por conta de uma Portaria que determinava que para ser sepultado naquele cemitério o cidadão não poderia ganhar mais que dois salários mínimos.

O fato ocasionou discussões calorosas na Câmara de Palmas na semana subsquente à morte de Iberê, e nesta quinta-feira, 25, a Prefeitura de Palmas, através da Medida Provisória nº 14, pôs fim à restrição a enterros em Taquaruçu.
Com a edição da MP, as famílias poderão sepultá-los, mediante o pagamento de uma taxa de 400 UFIP s (Unidades Fiscais de Palmas) que pode ser parcelada em até doze vezes, mediante a apresentação do documento de arrecadação municipal (DAM).

Além do pagamento da taxa, os familiares precisam comprovar que o falecido residia ininterruptamente no Distrito de Taquaruçu nos 10 anos anteriores a morte, (através de fatura de energia, conta de água, internet, telefone e outro documento idôneo), poderão ser sepultados nos cemitérios públicos municipais do Distrito.


Para o secretário executivo da Secretaria de Desenvolvimento Social, (Sedes), Edson Fernandes, com a correção na legislação, houve um avanço social sem precedentes. “Antes não era previsto pagamento pelo sepultamento, mas também não era autorizado o sepultamento no distrito de moradores da própria localidade. Agora estamos corrigindo essa distorção social”, ressaltou.