Cidade Aberta

Tocantins fica em 4ª posição de Estados que mais sofrem acidentes de moto

22/05/2015 16h21 | Atualizado em: 22/05/2015 16h48

Foto: Reprodução
De acordo com uma pesquisa realizada pela Agência Saúde do Ministério da Saúde (MS), a cada ano, aproximadamente de 45 mil pessoas perdem suas vidas em acidentes de trânsito no Brasil. E, o Tocantins ocupa a 4ª posição no ranking de vítimas de acidentes com motocicletas, com taxa de mortalidade de 12,1 para cada 100 mil habitantes.

Entre 2002 e 2012, este número cresceu 89,6% no estado. No Brasil, o índice é de 6,3 mortes por 100 mil habitantes. Dados preliminares do Ministério da Saúde apontam que, em 2013, os acidentes com motos resultaram em 12.040 óbitos no país, o que corresponde a 28% dos mortos no transporte terrestre. No Tocantins, foram 203 mortes em 2013.

Nos últimos seis anos, as internações hospitalares no Sistema Único de Saúde (SUS) envolvendo motociclistas tiveram um crescimento de 115% e o custo com o atendimento a esses pacientes de 170,8%. No Tocantins, foram 728 internações em 2014, representando um gasto de R$ 1,1 milhão.

Como meio para retardar esses números, o Ministério da Saúde está propondo uma série de ações intersetoriais, que deverão envolver outras esferas Federais, estaduais e municipais. O ministro da Saúde, Arthur Chioro apresentou nesta semana algumas das iniciativas, durante uma discussão na 68ª Assembleia Mundial da Saúde, em Genebra. “Algumas propostas em estudo são a obrigatoriedade de apresentação da habilitação no momento da compra da moto, por exemplo, e a possibilidade de financiamento do capacete como um EPI (Equipamento de Proteção Individual), possibilitando a venda do item de segurança junto do veículo”, pontuou o representante ministerial.

Números

Segundo o Sistema de Informações sobre Mortalidade do Ministério da Saúde, o Brasil registrou o crescimento de 280% da morte de motociclistas em uma pesquisa realizada entre 2003 (4.292) e 2013 (12.040).

De 2008 a 2013, o número de internações devido a acidentes de transporte terrestre aumentou 72,4%. Considerando apenas os acidentes envolvendo motociclistas, o índice chega a 115%. Em 2013, o SUS registrou 170.805 internações por acidentes de trânsito e R$ 231 milhões foram gastos no atendimento às vitimas. Desse total, 88.682 foram decorrentes de motos, o que gerou um custo ao SUS de R$ 114 milhões – crescimento de 170,8% em relação a 2008. Esse valor não inclui custos com reabilitação, medicação e o impacto em outras áreas da saúde.

Perfil das vítimas

Segundo Sistema de Vigilância de Violências e Acidentes (VIVA 2011), que traça o perfil das vítimas de violências e acidentes atendidas em serviços de urgência e emergência do Sistema Único de Saúde em capitais brasileiras, 78,76% das vítimas de acidente de transporte terrestre envolvendo motociclista são homens, na faixa etária de 20 a 39 anos. Entre os motociclistas ouvidos, 19,6% informaram o uso de bebida alcoólica antes do acidente e 19,7% estavam sem capacete.

“Não dá mais para não agir na dimensão preventiva dos acidentes com motos. É preciso propor novas medidas e elevar essa discussão a um problema de saúde pública”, concluiu Chioro.

(Com informações da Agência Saúde/ Ministério da Saúde)