Carta ao Salomão

Meu querido Salomão,

17/08/2015 14h59 | Atualizado em: 17/08/2015 15h04

Foto: Reprodução
Roberta Tum
Roberta Tum
Aprendi no espiritismo de Alan Kardec, que o telefone só toca de lá para cá e nunca daqui para o plano onde você está agora. Não sei direito como funciona isso, mas espero que esta Carta chegue a você pelos mistérios insondáveis que separam o céu e a terra. Não quero que seja mais uma forma indireta de dizer coisas aos vivos deste plano, mas seja também um recado do meu coração para o seu.

Já vão fazer quase dois anos, amigo velho, do telefonema que recebi do Eduardo Siqueira, me avisando do seu infarto. Eu estava em Brasília, acompanhando um evento e tive que sentar num banco do shopping onde tinha ido almoçar para segurar a tremedeira das pernas, diante do susto, do inusitado da notícia. Aí veio o flashback de tantas cenas que vivemos juntos desde o Diário da Manhã, nos saudosos anos 80, até esse Tocantins quente de meu Deus.

O tempo passou e eu espero que você tenha recebido todas as vibrações de amor de todos nós seus amigos, dos seus amores maiores, seu filho, sua esposa, seus familiares…

Há alguns meses sonhei com você e liguei para a dona Joana para dar o recado de como senti que você estava. Bem. Melhor do que eu esperava pelo curto tempo. E naquele sonho a gente falava de quê? Adivinha?…rs. Política, né? Para variar. Você conversando pelo pensamento, como falam os espíritos, me alertava para ficar atenta a uma situação que poderia arriscar a vitória do seu amigo, Marcelo Miranda, hoje pela terceira vez nosso governador, pelo imperativo voto popular.

Nos dias que se sucederam não entendi direito, mas fiquei atenta e seu aviso se confirmou. Até agora amigo velho, as coisas vão se sustentando por aqui, aos trancos e barrancos, mas você faz falta… Tanta que de vez em quando me atrevo a recorrer à sua memória, na coluna Minha Opinião, imaginando o que você diria para um bando de cabra safado que insiste em se alojar no governo do homem, fazendo serviço porco e a fofocaiada de sempre.

Desculpe aí, só quero falar de coisas boas, mas de vez em quando escapa um impropério… ainda tenho muito que evoluir.

Salomão, o Brasil passa por grandes turbulências e quem perdeu a eleição não se conforma em ser governado pela Dilma. Estamos vivendo aquele momento de limpeza, depuração, com casos e mais casos de corrupção vindo à tona. Espero que você já possa estar no grupo de tarefeiros que olha pelo nosso Tocantins, por que aqui também deixaram o barco singrar por mares muitos tempestuosos. Não está fácil. Desde o começo do ano greves, folha que não fecha e o povo no governo fazendo pose de rico. Coisa de dar dó.

Marcelo governa com a boa alma de sempre, mas está muito sozinho. Dona Dulce, deputada federal, dá expediente em Brasília e olha, tem feito falta demais por aqui.

Nossa senadora virou Ministra, como você bem previu lá atrás lembra? Cruzou o rubicão e é lembrada como nome forte no PMDB para disputar a presidência da República na sucessão da Dilma, caso esta consiga concluir seu mandato. Mas aqui, continua aquele fogo amigo de sempre. Novidade deste ano é que seu amigo Carlos Gaguim, agora federal, está no primeiro time de articulação da ministra. Ele e Marcelo ainda não se entendem: aquele vai e volta de sempre…rs.

O Velho Brito não tem mais o poder de antes. Foi afastado do governo do filho pelo poder de influência do manqueteio oficial. Marcelo não tem mais para-choque e terceiriza o diálogo com os diversos setores do funcionalismo e da sociedade para secretários que não têm a mesma simpatia ou o respaldo popular.

Encontrei o Velho Siqueira dia destes. Está bem e me soltou essa: “Roberta, descobri que para melhor convivência com os meus amigos, é preferível ser ex-governador, do que governador”. Morri de rir. E é verdade. Sabe o que é, meu amigo? Quem é poder, é vidraça. As pessoas chegam lá, mas se aborrecem por não querer ser alvo de cobranças nem de críticas, o que na nossa profissão, é impossível.

Tudo passa, Salomão… cada vez mais tenho essa consciência. E o poder então, nessa Terra, passa rápido demais.

Reze aí por todos nós, meu amigo. Você que está mais perto de Deus, reze pelo nosso Tocantins. Ainda tenho fé e esperança que vamos achar o rumo, o caminho.

Até qualquer dia meu companheiro! E que não seja tão breve…!