Carta ao Salomão

Querido Salomão,

23/03/2015 18h02 | Atualizado em: 23/03/2015 18h08

Embora muitos amigos expressem o desejo de ocupar este espaço para transmitir a você as notícias de cá, externar sentimentos e trocar dois dedos de prosa, confesso que já tenho dúvidas se devemos continuar importunando você com os acontecimentos terrenos, principalmente nesses tempos de crise moral, ética e até financeira que assola o país. Penso que merece descansar em paz.
Porém, esta é uma decisão que não compete só a mim, afinal temos um Conselho de Colaboradores e devemos nos reunir em breve para discutirmos o assunto. E enquanto isso não acontece, vamos tentando lhe atualizar sobre os últimos acontecimentos. São tantos e em tantas instâncias que fica difícil selecionar os principais, tamanha a lambança que se dá por cá.
A famosa operação lava-jato, aquela que investiga os atos de corrupção na Petrobras, a cada dia nos deixa mais estupefatos com os sucessivos escândalos que a Polícia Federal desvenda nesse mar de lama. Além dos diretores, empreiteiros, doleiros e lavadores de dinheiro público, isso mesmo, meu amor, montaram até uma lavanderia de faixada num posto de gasolina em Brasília para lavar dinheiro, acredita? Por fim, saiu a tão esperada lista dos políticos beneficiados pela lavanderia. Até agora, 47 nomes foram apontados pelo procurador-geral da República, dentre os quais, um tocantinense. Mas todos, sem exceção, juram que são inocentes. Só nos resta esperar o final das investigações e os encaminhamentos da Suprema Corte para cada investigado. A sociedade já se mostra reticente, pois não acredita na imparcialidade do juiz escolhido para relatar o processo. E para corroborar com a descrença do povo na justiça brasileira, temos o exemplo do escândalo do mensalão, cujos condenados, em sua grande maioria já estão em liberdade.
Mas como reza o ditado, não há mal que não traga um bem. O escândalo serviu para unir e despertar o povo brasileiro, que no último dia 15 foi às ruas de Norte a Sul do País, para dizer aos governantes e legisladores que não vamos mais ser tolerantes com tanta corrupção.
Mudando um pouco de assunto, o buchicho do momento é a nova novela global das 21 horas, Babilônia, literalmente. A trama envolve todo tipo de desvios éticos e morais: prostituição, cafetinagem, traição, homossexualismo, este, aliás, tem sido o carro-chefe das novelas da Globo nos últimos tempos. Nada contra os homossexuais, tenho grandes amigos e amigas que o são; como cristã respeito a todos como seres humanos e criaturas de Deus. O fato é que a novela tem incomodado a sociedade ao ponto de se mobilizar através das redes sociais numa verdadeira campanha contrária, conclamando ao povo a mudar de canal na hora da novela. E parece que tem surtido efeito, pois os primeiros números do ibope não são animadores para a emissora, apesar do grande time de atores escalados para compor o elenco. As igrejas igualmente, cada uma a seu modo, entraram de solana campanha conclamando a seus fiéis a não assistirem a novela. Se a moda pegar a poderosa globo perderá muito em faturamento, pois os clientes não querem ver seus nomes associados a um produto que não agrada ao grande público.
Por falar em igreja, outra novidade que preciso lhe contar, meu querido, embora não me agrade muito, e tenho certeza que não lhe agradará também, é que o nosso estimado padre Sebastião Lima deixou a Igreja Católica Apostólica Romana. Ele agora foi sagrado bispo da Igreja Católica Apostólica da Reconciliação. Como fiel da igreja de Roma estou muito triste por ver a igreja perder um sacerdote tão dedicado às causas do Evangelho, principalmente àqueles preferidos do Pai, os pobres. Você chegou a acompanhar o início do seu sofrimento, quando foi afastado da Casa de Maria e da Catedral Metropolitana de Palmas. Não quero aqui entrar no mérito das questões internas da igreja nem questionar a autoridade do nosso arcebispo, mas tenho me preocupado muito com certas atitudes de nossos líderes religiosos, não só aqui como em outras Dioceses. Estou aproveitando o período quaresmal e rezando pelo nosso clero, pedindo a Deus pela unidade dos cristãos e da nossa igreja. O papa Francisco tem dado grandes exemplos de humildade, compreensão, aceitação e respeito ao próximo. É bom que fiquemos atentos a seus apelos.
Não vou tomar mais o seu tempo, meu amor, sei que deve estar muito ocupado por aí, agora que se juntaram a vocês o garganta de ouro José Rico e nossa rainha caipira Inezita Barroso. Posso imaginar a farra que estão fazendo. Fica em paz.
Saudades eternas da sempre sua,
Joana Castro