Carta ao Salomão

Meu Prezado Salomão

06/10/2014 09h14 | Atualizado em: 06/10/2014 09h20

Divulgação
Por José Neide Araújo,Advogado

Já se passou um ano que você, após cumprir brilhantemente as obrigações que o Pai te destinou, partiu para um mundo melhor para gozar, junto com os amigos que o precederam, as benesses a que fez jus. Por aqui tudo parece continuar na mesma. Eu com a vida que você certa vez definiu como alguém que era casado e tinha uma amante. Goiânia era minha mulher e Palmas a minha amante. Continuou assim. Morando em Goiânia e vindo todos os meses matar as saudades de Palmas. Com a sua falta perdi o parceiro das longas conversas sobre a situação política de Goiás e, principalmente, do Tocantins. As suas análises eram perfeitas. Noventa por cento de seus prognósticos se realizavam. Hoje, para saber a metade que eu conseguia com duas horas de conversa com você, tenho que falar com mais de trinta pessoas. E, o que é pior é que nem sempre as informações são confiáveis.

O quadro político nestas eleições complicou de vez. Virou uma salada ideológica, se é que alguma vez existiu ideologia no Tocantins. A senadora Kátia Abreu tem como suplente um filiado ao PT. Isto era há dez anos algo impensável. O ex-governador Siqueira Campos, segundo as mais diversas fontes, se aposentou. Já era hora. Para ele isto é muito bom, pois de agora para frente o povo tocantinense deve analisar a sua vida de maneira histórica. Abandonar o partidarismo e verificar o que de bem ou mal ele fez. Eu pessoalmente acho que colocadas na balança,as ações positivas do ex-governador superam muito as suas faltas. Ninguém é perfeito. Ouvi de muitos ex-siqueiristas reclamações de possíveis traições sofridas e ouvi muitos que o admiram até hoje. Dos que reclamavam e dos quais eu conhecia a verdadeira história vi que muitas vezes não tinham razão. Eram apenas desejos pessoais contrariados. Acho que a figura de Siqueira Camposs deve passar para o panteão da história.

Quanto ao filho acho que o mesmo está fazendo o certo. Pelo menos é o que parece. Ele diz que é um novo começo. Isto é bom. Ele deve a partir de agora criar a sua verdadeira história. Competência para isto ele tem, resta saber se vai usar o cabedal que reuniu nestes anos de mando.
Outro filho na história tocantinense, o Marcelo Miranda, já fez o seu recomeço há alguns anos. Quando foi eleito deputado estadual o foi com o respaldo do seu pai, José

Edmar Brito Miranda. Trabalhou, cresceu e hoje é um dos maiores líderes do Estado.
Ouvi muita gente falar que o governador Sandoval seria candidato para articular, via renúncia, a eleição de Eduardo para governador e a consequente eleição indireta pela Assembleia. Não acredito por dois motivos. Primeiro eu acho que Eduardo, sabido como é, não iria querer a eleição do Sandoval, por mais que ele afirme que sim.

Em caso da eleição do Sandoval e a de Eduardo para a Assembleia a sua situação ficaria incômoda. Seria deputado do Governo, mas não o Governo como tem sido até hoje. Em segundo lugar se, hipoteticamente, o Sandoval for eleito ele se tornaria o líder maior do Estado e nesta condição não iria queimar esta liderança para tentar eleger Eduardo para o seu lugar. Por isto, mesmo perdendo a eleição, conforme indicam as pesquisas, o governador sairia engrandecido.

O senador Ataídes tem se revelado um bom articulador e está cumprindo bem o papel a que se propôs. Ficar conhecido no Estado para as próximas eleições.

Quanto a Marcelo Miranda você já sabia e me disse que em 2014 o mesmo iria colher os frutos de um trabalho bem feito. Isto está acontecendo. A única esperança que se nota em seus adversários é, mais uma vez, lhe tomarem na Justiça o mandato outorgado pelo povo.